Os cientistas descobriram que filhos únicos não apenas possuem diferenças comportamentais que podem os diferenciar daquelas crianças com irmãos, mas também têm o desenvolvimento de seus cérebros afetado por isso.

Um novo estudo comparando exames cerebrais de crianças sem e com irmãos revelou diferenças significativas no volume de matéria cinzenta dos participantes, e os pesquisadores dizem que é a primeira evidência neurológica nessa área ligando as mudanças na estrutura do cérebro a diferentes comportamentos.

Para investigar se somente as crianças demonstraram diferenças neurológicas de seus pares que cresceram com irmãos e irmãs, os pesquisadores da Universidade do Sudoeste da China recrutaram 303 estudantes com idade acadêmica.

A mistura de jovens na China oferece um amplo leque de candidatos para esta área de pesquisa, devido à política de longo prazo de apenas um filho, que limitou muitas, mas não todas as famílias, a criar apenas uma criança entre 1979 e 2015.

O estereótipo comum sobre ser um filho único é que crescer sem irmãos influencia o comportamento de um indivíduo e traços de personalidade, tornando-os mais egoístas e menos propensos a compartilhar com seus pares.

Benefícios cognitivos

Pesquisas anteriores confirmaram alguns destes preceitos – mas também demonstraram que filhos únicos podem receber benefícios cognitivos como resultado de sua educação solitária.

Aproximadamente metade dos participantes deste último estudo eram filhos únicos, enquanto a outra metade haviam sido crianças com irmãos. Todos receberam testes cognitivos projetados para medir sua inteligência, criatividade e personalidade, além de terem seus cérebros escaneados com máquinas de ressonância magnética.

Embora os resultados não tenham demonstrado nenhuma diferença em termos de inteligência entre os dois grupos, eles revelaram que os filhos únicos exibiram maior flexibilidade em seu pensamento – um marcador-chave de criatividade nos Testes Torrance do Pensamento Criativo.

Por outro lado, filhos únicos mostraram também menos amabilidade no Inventário de Personalidade NEO Revisado, ou seja, estes indivíduos seriam menos gentis e cooperativos. A amabilidade é uma das cinco principais medidas testadas no sistema, sendo as outras quatro a extroversão, a conscienciosidade, o neuroticismo e a abertura à experiência.

Diferenças cerebrais

Mas, mais importante do que os dados comportamentais – que têm sido o foco de muitos outros estudos – os resultados da ressonância magnética realmente demonstraram diferenças neurológicas no volume de matéria cinzenta (GMV) dos participantes como resultado de sua educação.

Em particular, os resultados mostraram que filhos únicos apresentaram maiores volumes de giros supramarginais – uma porção do lobo parietal que acreditasse estar associada à percepção e ao processamento da linguagem e que, no estudo, correlacionava-se à maior flexibilidade dos filhos únicos.

Em contraste, os cérebros destes indivíduos revelaram menor volume em outras áreas, incluindo o córtex pré-frontal mediano (mPFC) – associado à regulação emocional, tais como personalidade e comportamentos sociais – que a equipe correlacionou com suas pontuações mais baixas na parte da amabilidade.

Enquanto os pesquisadores não estão tirando conclusões firmes sobre por que filhos únicos exibem essas diferenças, eles sugerem que é possível que os pais possam promover uma maior criatividade em seus filhos únicos, dedicando mais tempo para eles – e possivelmente colocando maiores expectativas sobre eles.

Enquanto isso, eles acreditam que o menor grau de amabilidade das crianças pode resultar da atenção excessiva dos membros da família, menos exposição a grupos sociais externos e mais foco em atividades solitárias enquanto crescem.

É importante notar que existem algumas limitações para o estudo – em primeiro lugar, todos os participantes eram jovens altamente educados de uma parte específica do mundo, e os resultados só refletem o teste de um ponto no tempo.

Dito isto, os pesquisadores dizem que é a primeira evidência de que as diferenças nas estruturas anatômicas do cérebro estão ligadas a diferentes comportamentos em termos de flexibilidade e amabilidade.

“Além disso, nossos resultados contribuem para a compreensão da base neuroanatômica das diferenças na função cognitiva e personalidade entre filhos únicos e crianças com irmãos”, os autores escreveram em seu estudo.

Enquanto ainda há muito que não entendemos, é claro que há uma ligação entre os nossos ambientes familiares e a forma como a nossa estrutura cerebral se desenvolve, e vai ser fascinante ver onde as pesquisas na área nos levarão no futuro. [Science Alert]

TEXTO DE Jéssica Maes
FONTEHypescience
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



Bem Mais Mulher

Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.

COMENTÁRIOS