Os cérebros racionais são fisicamente diferentes dos cérebros emocionais.
Dois tipos diferentes de empatia podem ser vistos a funcionar no cérebro, segundo um novo estudo.

Os dois tipos são a empatia emocional e a empatia racional.

A empatia emocional é quando se sente mesmo as emoções de outra pessoa.

A empatia racional é quando se tenta entender as emoções de outra pessoa, intelectualmente.

Sr. Robert Eres, que liderou o estudo, disse: “As pessoas que estão no alto da empatia afetiva [ou emocional] são muitas vezes aquelas que têm muito medo quando veem um filme de terror ou começam a chorar durante uma cena triste.

Aquelas que têm uma alta empatia cognitiva são aquelas que são mais racionais, por exemplo, um psicólogo clínico quando aconselha um cliente.”

Os cérebros das pessoas que respondem racionalmente às emoções são diferentes daqueles que respondem emocionalmente, segundo o estudo.

O estudo verificou se as pessoas com mais células cerebrais em determinadas áreas respondem de maneira diferente aos estímulos emocionais.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas com maior densidade de matéria cinzenta na insula uma área importante para as emoções exibiam uma empatia mais emocional.

Aquelas que mostravam uma empatia mais racional apresentavam maior densidade de matéria cinzenta no córtex midcingulate.

Sr. Eres disse: “Todos os dias as pessoas usam a empatia com e sem o seu conhecimento para navegar no mundo social. Utilizando-a para a comunicação, para construir relacionamentos e para consolidar a nossa compreensão dos outros.

No futuro queremos investigar a causalidade, se a ação de pessoas em tarefas de empatia relacionadas podem levar a mudanças nessas estruturas cerebrais e investigar se existem danos destas estruturas cerebrais, como resultado de um acidente vascular cerebral, por exemplo, podem levar à empatia de deficiências.”

Os autores do estudo concluem: “Em conjunto, estes resultados fornecem a validação da empatia como uma construção multi-componente, sugerindo que a empatia afetiva e a empatia racional são diferentemente representadas na morfometria cerebral, bem como proporcionar evidências convergentes para a empatia sendo representada por diferentes correlatos neurais e estruturais”.

TEXTO DEDiogo Mendes
FONTEPsicologiadquirida
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.

COMENTÁRIOS