Na psicologia tradicional, acredita-se que o pensamento defeituoso pode manter as pessoas presas em depressão ou cinismo. Por exemplo, um indivíduo deprimido pode preocupar-se numa quantidade excessiva sobre eventos futuros, distorcer os fatos de uma forma negativa, ou seja, cronicamente pessimista.

Nesta escola psicológica do pensamento, a única maneira de escapar verdadeiramente a isso é mudar os hábitos de pensar da pessoa deprimida. Embora isso possa ser a perspetiva líder, há uma outra teoria, conhecida como realismo depressivo, o que sugere que alguns comprimidos leva as pessoas a ter um pensamento “defeituoso”, em vez daquilo que a realidade realmente é.

Nota: Esta é uma teoria que é aplicada à depressão leve ou moderada, claramente distinta da depressão grave, as causas e os efeitos são complexos demais para cobrir num artigo. Além disso, a teoria do realismo depressivo não está comprovada. Estou simplesmente a trazer-lhe informações sobre a teoria, em vez de tentar dizer que é o correto.

A História Completa
A principal premissa do realismo depressivo é que o deprimido percebe o mundo de forma realista, embora muitos indivíduos não-deprimidos vivam numa ilusão positiva. Por exemplo, se dois alunos receberem um “A” num teste fácil, o estudante não-deprimido pode ampliar as suas próprias habilidades e acreditar que foi a sua inteligência que lhe rendeu uma boa nota.

Por outro lado, a pessoa deprimida iria reconhecer a simplicidade do teste que levou à sua boa nota e não quaisquer habilidades intelectuais incomuns. Essencialmente, de acordo com esta teoria, algumas pessoas felizes permanecem felizes porque são demasiado optimistas – outro tipo de pensamento errado.

Onde estão as provas? Bem, os pesquisadores realizaram vários experimentos que medem as diferentes perceções das pessoas, tanto deprimidos como não deprimidos, quando colocados em cenários pré-concebidos. O primeiro grande estudo foi realizado por Lyn Abramson e Lauren Alloy na década de 1970.

Estes psicólogos selecionaram 288 pessoas e pediram-lhes para identificar o nível de controle que tinham sobre se devia ou não uma luz verde acender quando pressionavam um botão (o botão não influenciava a luz).

Quatro experimentos foram conduzidos desta maneira e, em todos os casos, os indivíduos deprimidos foram surpreendentemente mais precisos do que os indivíduos não-deprimidos, a avaliar o seu nível de controle dos acontecimentos.

Outros pesquisadores realizaram estudos que incluíram também um elemento de tempo. O que acharam? Os indivíduos deprimidos eram melhores a prever com precisão quanto tempo tinha passado do que as suas contrapartes felizes.

Noutro teste, os participantes foram convidados a avaliar o seu próprio desempenho em várias tarefas. Descobriu-se que os indivíduos deprimidos avaliavam com mais precisão as suas performances, enquanto os não-deprimidos tendiam a ter um viés positivo em relação a si mesmos.

E, num experimento final, os participantes foram convidados a avaliar as situações sociais e determinar se a causa de um evento foi baseada em estímulos internos ou externos.

Mais uma vez, as pessoas deprimidas foram mais eficazes a distinguir as causalidades, enquanto que o pessoal não-deprimido tinha o hábito de culpar os resultados positivos em fatores internos e eventos negativos sobre questões externas.

Para os crentes em realismo depressivo, a combinação desses estudos sugere que as pessoas com depressão leve podem julgar com mais precisão o resultado de eventos condicionais e têm uma visão mais realista das suas habilidades, influência e limitações.

Por outro lado, algumas pessoas não deprimidas veêm o mundo através de “óculos cor de rosa” e inconscientemente exageram os seus talentos, influência e habilidades.

É claro que há muitos que desafiam a ideia de realismo depressivo e têm o seu próprio conjunto de estudos contraditórios a combinar. Se a teoria do realismo depressivo foi precisa, isto significaria que a maioria das terapias atuais de depressão não está realmente a ajudar o pensamento dos pacientes, mas a torná-los excessivamente otimistas.

TEXTO DE Diogo Mendes
FONTEPsicologiadquirida
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.

COMENTÁRIOS