Destaque nos desfiles de grifes como Marc Jacobs e Oscar de La Renta,  Amira Pinheiro já foi recepcionista e vendedora em uma loja de telefone celular.

Dona de uma beleza singular e a elegância do alto de seus 1,80 m de altura, Almira  sempre chamou a atenção. Mas a realidade dessa maranhense há alguns anos era diferente da que hoje vive: seu passado era como vendedora de celulares e recepcionista em São Luís, mas tudo isso foi substituído pelo protagonismo em algumas das principais passarelas da moda no mundo.

Para chegar nas passarelas, Amira contou que foi um processo gradual e abraçou as oportunidades que apareciam para assim construir seu nome como profissional.

“Ser recepcionista e vendedora de celulares foram trabalhos que surgiram na época e eu os fiz porque precisava trabalhar. Busquei pessoas que pudessem me ajudar a trabalhar naquele momento. Foi um processo natural e que foi acontecendo aos poucos. Não aconteceu uma virada. Fui abraçando as oportunidades que surgiram e, assim, construindo meu nome. Nunca sonhei ser modelo. Tudo foi acontecendo e eu fui unindo o útil ao agradável. Meu foco sempre foi trabalhar para poder ter meios de alcançar meus objetivos”, disse

Hoje trabalhando como modelo contratada da agência Way, Amira vem se destacando em trabalhos para as mais importantes marcas do universo fashion, em cenários como Nova York e Milão.

Além de ter sido estrela da MAC Cosmetics, Amira já desfilou para grifes como Marc Jacobs, Ulla Johnson, Byblos e Oscar de La Renta. E esse é só o começo: com apenas 22 anos, a modelo maranhense ainda tem muito sucesso pela frente. Apesar da pouca idade, porém, o caminho até aqui já foi de muito trabalho e acumulo de experiência, conquistando seu espaço, segundo a própria, abraçando com toda força as oportunidades que apareceram.

Inspirando-se em nomes como Gigi Hadid e Gisele Bündchen, Amira vê a desconstrução dos padrões e a presença maior de modelos negras como algo natural – um processo no qual as pessoas passam a ser reconhecidas por suas capacidades antes de tudo.

“Em muitos lugares ainda existe essa questão de exaltar quem coloca negros para trabalhar, mas eu vejo de forma diferente. Vejo como algo natural. É apenas uma questão de perfis. As pessoas trabalham por sua capacidade, e não por sua raça, gênero, religião ou qualquer outra questão. Não me sinto excluída. Me sinto bem e reconhecida e estou muito feliz por este momento da minha carreira”, opinou

Com informações: Hypeness

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.