Por Luiza Garmendia

Amores são como anéis. Ainda mais se você pensar na frase “vão-se os anéis ficam os dedos”, não é?

E tudo o que eu quero deles é a honestidade. Nada pior do que um anel de vidro que tenta se passar por diamante, como uma paixão ilusória disfarçada de amor verdadeiro. Bijuteria ou joia. Quer saber? Nenhum dos dois é melhor do que o outro.

São coisas completamente diferentes com algo em comum: eles são honestos. O anel de diamante vai durar para sempre, se você topar bancar o alto investimento. Já o anel de vidro vai deixar claro sua qualidade frágil e efêmera.

Se apaixonar pelo anel de vidro é simples e até libertador. A gente sabe exatamente o que vai levar. O mesmo anel vai desfilar por aí com mais 2.349 mulheres. Tudo bem, ele não nos prometeu exclusividade.

Ele vai permanecer brilhante quase uma estação inteira e, ao final do outono, a cor já vai ter desbotado e a pedra estará arranhada. O fim do inverno é também o fim daquele anel (ou seria amor?) que, na primeira queda ao chão, se espatifou em mil pedaços.

Ele pode até ter cortado a pele de raspão e feito sangrar por alguns minutos. Mas tudo bem, a gente sabia que não iria durar muito. Aquele anel não vinha com a promessa de nos acompanhar por anos em aventuras desvairadas, noites insones de inverno ou dias preguiçosos sob o sol.

Muito menos vinha com a proposta de amor eterno. A gente sabia que era passageiro. Coisa de momento que se transformaria em uma linda memória.

Dor mesmo é acreditar na ilusão do diamante que, no final das contas, era de mentira. É aquele que nos engana, nos faz de boba, brinca com a gente. Nos faz investir todo tempo e esforço para conquistar aquele brilho, aparentemente, inapagável.

O diamante (e o amor) de mentira vai nos virar do avesso, nos fazer sentir especial até darmos os primeiros passos com ele e perceber que ele desfila com mais duas mulheres na festa, também iludidas pela exclusividade que ele prometeu.

E percebemos que não somos a única. E nem a mais estilosa, afinal, vamos admitir, ele combina muito mais com a morena tatuada de cabelos curtos do que com a gente.

Entre joias ou bijuterias, prefiro aquilo que não imita nada. Aquilo que é exatamente o que se propõe. Porque tem dias que um anel descartável ou um amor passageiro é tudo que a gente precisa.

E outros que o investimento vale a pena para levar um companheiro de aventuras ao nosso lado, entrelaçado em nossos dedos pelo resto de uma vida ou, pelo menos, grande parte dela.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Luiza Garmendia
Luiza é formada em Artes Cênicas e em Publicidade e Propaganda, além disso estudou cinema e se formou no magistério. Já atuou em diversas áreas profissionais. Lecionou e dirigiu peças de teatro com crianças e adultos, trabalhou como atriz, diretora, dramaturga, produtora, figurinista, redatora, community manager. Frequentemente escreve peças teatrais infantis e contos.