O textão escrito por Maria Flor nas redes sociais sobre a relação com Jonathan Haagensen é outra oportunidade para discutir racismo além da superfície. Dando detalhes sobre o relacionamento, a atriz citou a forma nem tão sutil assim de como o preconceito se manifesta.

“O Jonathan morava e ainda mora no Vidigal. Ele é negro, eu sou branca. A gente se conheceu em um filme e se apaixonou. Isso não tinha nada a ver com a nossa cor. E lá atrás, eu com 19 e ele com 20 anos, a gente não pensou sobre isso”, pontuou.

Ela narrou algo que muitos casais interraciais vivem. O estranhamento. Olhares tortos determinados em reprovar a equidade racial, são alguns dos ingredientes constrangedores. No caso de Jonathan, morador da comunidade do Vidigal, o cobertor do preconceito encurta.

“A gente foi percebendo que não era normal a gente junto em um restaurante, que não era comum a gente fazendo compras no mercado, que não era tranquilo ele dirigir o carro porque seríamos parados na blitz se ele estivesse dirigindo e não eu”.

A sociedade parece ter entrado em consenso acerca da descrição do racismo à brasileira. Não tem nada de delicadeza. O preconceito não pede licença e tem a violência como grande aliada. Em 2016, a população negra registrou taxa de homicídios de 40,2 mortes por 100 mil habitantes. O número entre os brancos foi de 16, mostra o Atlas da Violência.

Existem outros métodos violentos menos explícitos. A seletividade policial na hora da abordagem é certeira. E, caro leitor, deixa sequelas.

“Eu lembro de um dia que fomos parados na entrada do Vidigal por policiais. Jonathan disse que era morador, mas os policiais mandaram ele descer do carro e começaram a revista-lo. Aquilo era humilhante. Eu na minha jovem arrogância desci do carro e gritei com o policial. E perguntei indignada o que ele estava fazendo. O Jonathan pediu para eu parar, mas eu gritei e perdi a mão. E o policial nos levou para a delegacia por desacato. Eu nunca vou esquecer o rosto do Jonathan indo para a delegacia”, recorda Maria Flor.

  • Siga a Revista Bem Mais Mulher no Instagram aqui
  • Curta a Revista Bem Mais Mulher no Facebook aqui.

Fonte: Hypeness

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.