“SALVE, CÉSAR! AQUELES QUE VÃO MORRER TE SAÚDAM”

Eu vi arquibancadas lotadas no parque de diversão em Santa Catarina.

Veio a mente que estamos retornando aos jogos mortais do Coliseu, em que cristãos eram devorados por leões ou pereciam nas mãos de gladiadores em uma arena de 85 por 53 metros. Cinquenta mil pessoas festejavam a morte, urravam para nenhum dos lutadores ou animais terem compaixão com as suas vítimas. Todos queriam sangue, estertor, sofrimento, para justiçar o ódio.

Logo quando estamos ingressando no pico da pandemia do COVID-19 no país, reproduzimos a indiferença da Roma Antiga. Como se Cristo nem tivesse nascido, sequer ressuscitado. Não há nem um pingo de misericórdia no ar.

Um público se reúne, ao sol de domingo, grande parte sem máscara, feliz com as suas famílias, para fingir que a vida continua normal. Que normalidade é essa com cinquenta mil mortos? Que normalidade é essa com um milhão de infectados?

Ninguém lê notícias? Ainda acredita, apesar dos imensos testemunhos fúnebres, que é uma conspiração da mídia?

Não entendi qual o objetivo do entretenimento: é uma atividade essencial? Qual o motivo do riso, qual o motivo do passeio: comemorar os leitos cheios dos hospitais e as covas vazias dos cemitérios?

Tal liberdade impensada surge como escárnio, como afronta ao luto e enterro multiplicado exponencialmente ao longo do último mês. Não existe cumplicidade social, o reconhecimento mínimo à dor generalizada?

Perdemos mais brasileiros para o coronavírus do que na Guerra do Paraguai. Encontramo-nos no meio de um vírus que não recua justamente porque não somos responsáveis o suficiente para cumprir a quarentena e isolar os grupos de risco.

Cidadania envolve respeito. Não é hora de bater palmas para nada.

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.