Meu marido e eu nos casamos e imediatamente tentamos alcançar o alto padrão de vida que nossos pais haviam alcançado depois de muitos anos de trabalho e esforço. Acabamos em dívidas desde o início. Por vários anos nossa renda era apenas o suficiente para pagar nossas dívidas e viver com certo grau de simplicidade, o que – juntamente com as despesas inesperadas – nos cansou e criou tensão em nosso relacionamento.

Então, tentamos resolver esta crise como se fosse puramente econômica; nós hipotecamos a casa para fazer investimentos dos quais esperávamos um retorno tão promissor que todos os nossos problemas seriam resolvidos. Mas nossas previsões, planos e promessas não foram como esperávamos, e isso nos fez cair ainda mais em dívidas.

Uma batalha árdua

Quando nós dois tínhamos 40 anos de idade, tivemos de admitir que não era nada realista pensar que nossos melhores anos ainda seriam gastos pagando dívidas. Nosso relacionamento começou a ser preenchido com sombras escuras de medo, irritabilidade, culpa, ressentimento e obsessões.

Essas sombras começaram a reduzir nossa capacidade de amar um ao outro e nutrir nosso casamento. Acabamos ficando presos pela impossibilidade de voltar no tempo e mudar o nosso passado, pelo menos um pouco.

Sabíamos que não havia outra opção para nossa família do que começar de novo, subindo a colina íngreme da responsabilidade, mas agora com o peso adicional de se tornar mais pessimistas e inseguros. O que aconteceria se um de nós adoecesse? Ou perdesse o emprego? Ou se tal decisão acabasse por ser outro erro? E se…?

Para piorar as coisas, estávamos nos acostumando a acusações mútuas como “você deveria ter feito isso ou aquilo, ou tentado isso ou aquilo…”. Nós continuamos agitando o passado, reclamando constantemente, e nosso casamento se deteriorou mais rápido do que nunca.

Por fim, ao ser forçados a pedir ajuda, começamos a mudar e avançar, embora com dificuldade.

Viva no presente

Chegamos a entender que, para permitir que as coisas boas acontecessem, teríamos que parar de reagir nervosamente, arrastados pelos eventos; em vez disso, precisávamos ser proativos.

Então, decidimos começar de novo, deixando de lado os ressentimentos e aceitando que o passado era o passado, e que, em relação ao futuro, era impossível prever perfeitamente o que aconteceria ou como aconteceria. Percebemos que, no final, o presente era o único momento que nos pertencia; somente no presente podemos tomar decisões livres, usando o melhor de nosso intelecto e vontade.

Como implementamos isso? Começamos a tomar nossas decisões com mais realismo, prevendo e planejando as coisas do melhor jeito possível, confiando em Deus e trabalhando duro, e, principalmente, reduzindo nosso padrão de vida enquanto pagávamos nossas dívidas.

Nós decidimos que, para salvar nosso casamento, nossas decisões devem ser mais focadas em ser do que em ter. Percebemos que, para ser felizes, realmente precisávamos de muito pouco.

Nós devolvemos nossa casa para o banco para pagar nossas dívidas, e alugamos uma habitação modesta, mas digna. Para nossa surpresa, encontramos escolas excelentes e acessíveis na região, pechinchamos em supermercados e muitas outras coisas que não tínhamos considerado antes, e o conjunto dessas atitudes nos permitiu viver felizes em um nível socioeconômico mais baixo.

Nenhuma nostalgia pelo passado

Nós nos reeducamos, aprendendo a viver um dia por vez, sem a sensação de vazio ou frustração por não ter uma coisa ou outra, ou por viver no passado (sentir-se triste e desiludido) ou no futuro (com ilusões ou esperanças vãs). Começamos a viver aqui e agora, em vez de esperar para viver até que pudéssemos conseguir algum objetivo ou outro ou resolver algum problema que tínhamos em nossas mentes.

Nossas decisões foram muito claras e firmes, e estabeleceram as bases para organizar nossas ideias, ações e sentimentos, para que pudéssemos aproveitar nossa nova liberdade interna.

Nossas decisões incluíram:

  • Aprender a criar e seguir um orçamento familiar mensal e anual.
  • Não criar necessidades para nós mesmos: não pensar que necessariamente devemos nos vestir de certa forma, ter certos tipos de entretenimento, enviar nossos filhos às escolas “corretas” etc., com base no que as pessoas estavam fazendo no nível socioeconômico a que tínhamos aspirado.
  • Encorajar e apoiar nossos filhos em seus estudos. Graças a isso, eles ganharam bolsas de estudo.
  • Cultivar espiritualidade, passatempo, leitura ou reflexão.
  • Aprender com outros em circunstâncias de vida semelhantes que poderiam nos ensinar e nos dar um bom exemplo.

Recupere o tempo para o amor

Não há razão para que a falência financeira conduza à falência matrimonial. A consequência mais importante dessa percepção foi que fomos capazes de reconstruir nosso casamento. Ao perceber os nossos defeitos e a nossa anterior falta de apoio mútuo como cônjuges, poderíamos recuperar, pouco a pouco, tempo e espaço para o nosso amor. O casamento é uma realidade infinitamente mais profunda do que a simples interseção de duas vidas nos abismos da existência humana.

Agora vivemos com felicidade e com esperança no futuro. Somos mais importantes do que nossa inexperiência e erros, e confiamos que a Divina Providência está guiando nosso caminho.

Hoje em dia aceitamos o que nos acontece, nós interiorizamos isso, e transformamos em uma história que nos pertence. Sem negar a realidade de nossas circunstâncias, nunca duvidamos da possibilidade de restaurar, proteger e aumentar nosso amor.

TEXTO DEOrfa Astorga
FONTEAleteia
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.

COMENTÁRIOS