Quando na vida deixamos o “politicamente correto”, corremos o risco de nos perdermos e criar relacionamentos frágeis nos quais não nos conectamos com a nossa essência, mas apenas através de convenções sociais.

As conseqüências são terríveis, não apenas para os outros, mas especialmente para nós mesmos. O filósofo Gabriel Marcel já havia dito: “quando você não vive como pensa, acaba pensando como vive “.

Nem se trata de se tornar uma verdade kamikaze usando a sinceridade como uma desculpa para magoar os outros e não trabalhar em nossa assertividade. Precisamos encontrar um meio termo em que possamos dizer o que achamos melhor, para nosso próprio bem e o de nossos relacionamentos.

Como dizer o que achamos que nos torna pessoas melhores?

1. Promove a autenticidade

Nós temos um sexto sentido para mentiras e falsidades. Da mesma forma que notamos quando uma pessoa está fingindo ou escondendo algo de nós, também percebemos quando é sincera e autêntica. Ser coerente, dizer o que pensamos e agir de acordo, é uma forma de auto-expressão que os outros tendem a valorizar positivamente porque gera confiança. A autenticidade também evita dissonâncias cognitivas e conflitos internos, deixando-nos mais energia para crescer como pessoas na direção certa.

2. Mostra que estamos comprometidos

Quando uma pessoa não está dentro do nosso círculo mais íntimo, geralmente ativamos o caráter social que construímos. Esse caráter não nos ajuda precisamente a consolidar um vínculo, mas é responsável por manter um relacionamento distante e politicamente correto. Pelo contrário, dizer o que pensamos em muitos casos pode ser uma forma de mostrar a alguém que nos importamos o suficiente para abandonar essa máscara social e “despir-se” psicologicamente. Se a outra pessoa vale a pena, você apreciará esse gesto.

3. Fortalecer os vínculos

Quando as pessoas se relacionam com autenticidade e respeito mútuo, o relacionamento é fortalecido. Se soubermos que o outro é honesto e nos dirá o que ele pensa, vamos confiar nele e diminuir nossas barreiras. Esse tipo de confiança fortalece o relacionamento, um relacionamento que vai além das convenções porque significa que ambos se conectaram desde o mais profundo do “eu”, abriram uma pequena brecha para que o outro pudesse explorá-lo e conhecê-lo melhor.

4. É um sinal de maturidade

Muitas vezes é preciso mais coragem para dizer o que pensamos do que mentir. Se também soubermos expressar nossas opiniões e emoções de maneira diplomática e assertiva, é um grande sinal de maturidade. A honestidade que não faz mal é um tipo de “superpotência” que pode nos transformar em pessoas especiais, o tipo de pessoa que os outros querem ao seu lado.

5. Elimine o desperdício emocional

Escondendo nossos sentimentos nos leva a acumular muita ” porcaria emocional “. Essas emoções reprimidas podem acabar nos fazendo explodir da pior maneira, qualquer situação pode se tornar a palha que quebra o vidro. Pelo contrário, dizer as coisas quando as sentimos nos ajuda a nos libertar dessas emoções negativas, de modo a não acumular raiva ou ressentimento em relação aos outros.

6. Liberta-nos da carga cognitiva

Inventar histórias e contar mentiras acrescenta uma enorme carga cognitiva porque seremos forçados a lembrar essa realidade alternativa. A longo prazo, nos passará uma fatura psicológica em termos de tensão e estresse. No entanto, ao dizer de Mark Twain: “se você disser a verdade você não precisa se lembrar de nada “. Ser coerente e honesto nos libertará desse fardo, evitando que tenhamos que lembrar as mentiras ou que tenhamos que representar o “caráter” que construímos, mas que não corresponde ao nosso “eu”. Dizendo o que achamos que é libertador.

7. Evite problemas a longo prazo

Contas claras retêm amizades, diz um ditado popular. Dizer o que pensamos, para que os outros sejam claros sobre nossas linhas vermelhas, nos ajudará a evitar problemas causados ​​por mal-entendidos. Pelo contrário, ser permissivo demais quando algo nos incomoda ou contar mentiras pode causar grandes problemas em nossos relacionamentos e em nossas vidas.

8. Promove a auto-aceitação

“Se você não pode dizer a verdade sobre si mesmo, você não pode contar sobre outras pessoas “ , disse Virginia Woolf. Para ser coerente, é necessário partir de um profundo nível de autoconhecimento . Precisamos ter claras nossas idéias e valores, assim como nossas emoções. Só podemos ser coerentes e autênticos quando nos conhecemos o suficiente e nos aceitamos. Também é essencial estar ciente de que a nossa opinião não é uma verdade, para que não desenvolvamos uma atitude arrogante e autoritária que, em vez de nos aproximarmos dos outros, nos distancia.

9. Nós ganhamos autoconfiança

Muitas vezes mentimos porque, em nosso cálculo mental, a mentira é mais conveniente que a verdade. Às vezes, temos medo do que os outros possam pensar de nós, se nos expressarmos de maneira autêntica e, para preservar essa imagem que construímos, escolhermos o caminho mais simples. Abraçar a honestidade, ao contrário, nos ajudará a perder o medo do que os outros pensam e reforçar nossa autoconfiança.

10. Atrair mais honestidade

Dizer o que pensamos muitas vezes tem um “efeito replicativo” porque incentiva os que nos rodeiam a dizer o que pensam. Devemos lembrar que muitas pessoas reagem olhando-se no espelho que mostramos, então, se nos relacionarmos com mentiras e convenções, elas tenderão a fazer o mesmo. Pelo contrário, se formos honestos, será mais provável que os outros se sintam confortáveis ​​o suficiente para nos dizer o que pensam. Afinal, “talvez ser honesto não nos atraia muitos amigos, mas sempre nos dará os corretos” , segundo John Lennon.

  • Siga a Revista Bem Mais Mulher no Instagram aqui
  • Curta a Revista Bem Mais Mulher no Facebook aqui.

Texto originalmente publicado no Rincon Psicologia, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Bem Mais Mulher

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.