É bastante comum, infelizmente, que nossa saúde emocional seja prejudicada desde a infância. Muitas vezes não estamos cientes do que está nos bloqueando, o que nos deixa tontos ou o que nos causa medo.

Em muitos desses casos, a origem está naquilo que aprendemos quando éramos crianças, aquelas feridas que causaram nossas primeiras experiências com o mundo e que não conseguimos curar.

As feridas emocionais são experiências dolorosas da infância que moldam nossa personalidade adulta, quem somos e como enfrentaremos a adversidade.

Devemos nos conscientizar delas, e portanto, evitar guarda-las, então, quanto mais esperarmos para curá-las, mais profundas elas se tornarão. O medo de reviver o sofrimento causado faz-nos colocar centenas de máscaras que só dificultam o nosso movimento pela vida. É precisamente isso que temos que evitar.

Traição, humilhação, desconfiança, abandono, injustiça … são algumas das feridas que aponta Lisa Bourbeau em seu livro As Cinco feridas que impedem de ser você mesmo.

Vejamos então como podemos identifica-las:

1. Medo de abandono

A falta de moradia é o pior inimigo daqueles que sofreram abandono em sua infância. Imagine como deve ser doloroso para uma criança sentir o medo de ficar sozinha, isolada e desprotegida diante de um mundo que ela não conhece.

Como consequência, quando a criança em situação de rua é um adulto, ela tentará impedir o fato de sofrer novamente o abandono. Portanto, quem sofreu, terá uma tendência a abandonar seus parceiros e seus projetos cedo. Isso responde, única e exclusivamente, ao medo que o faz reviver esse sofrimento.

As frases mais comuns que essas pessoas falam ou pensam: “Eu deixo você antes de você me deixar”, “ninguém me apoia, não estou disposto a aturar isso”, “se você sair, não volte…”.

Essas pessoas terão que trabalhar seu medo da solidão, seu medo de ser abandonado e sua rejeição ao contato físico (abraços, beijos, contatos sexuais …). Esta ferida não é fácil de curar, mas um bom começo para curá-la é enfrentar o medo de ficar sozinho até que um diálogo interno positivo e esperançoso flua.

2. O medo da rejeição

Essa ferida nos impede de aceitar nossos sentimentos, nossos pensamentos e nossas experiências.

Sua aparência na infância é causada pela rejeição de pais, familiares ou colegas. A dor gerada por essa ferida impede uma construção adequada da autoestima e da autoestima da pessoa que a sofre.

Gera pensamentos de rejeição, de não ser desejado e de desqualificação para consigo mesmo.

Essa criança rejeitada não se sente digna de afeto ou compreensão e o que a faz isolar por medo de sofrer novamente esse sofrimento.

É provável que o adulto que foi um filho rejeitado seja uma pessoa elusiva. Por essa razão, medos internos que geram situações de pânico devem ser trabalhados.

Se for o seu caso, cuide do seu lugar, arrisque e tome decisões por si mesmo. Ele irá incomodá-lo cada vez menos quando as pessoas se afastarem e você não vai tomar isso como algo pessoal que elas esquecerão de você em algum momento. Você é a única pessoa que precisa viver.

3. Humilhação

Essa ferida é gerada quando sentimos que os outros nos desaprovam e criticam. Podemos criar esses problemas em nossos filhos, dizendo-lhes que eles são desajeitados, maus ou pesados, bem como transmitir seus problemas diante dos outros (algo que é, infelizmente, muito comum).

Isso, sem dúvida, destrói a autoestima da criança e, portanto, dificulta a possibilidade de cultivar um amor-próprio saudável.

O tipo de personalidade que é gerado geralmente é uma personalidade dependente. Além disso, podemos ter aprendido a ser “tiranos” e egoístas como um mecanismo de defesa, e até mesmo humilhar os outros como um escudo protetor.

Tendo sofrido este tipo de experiência requer que trabalhemos nossa independência, nossa liberdade, a compreensão de nossas necessidades e medos, bem como nossas prioridades.

4. Injustiça

O sentimento de injustiça entra em jogo nos lares onde os cuidadores principais são frios e autoritários. Uma demanda excessiva gera sentimentos de ineficácia e inutilidade, tanto na infância quanto na idade adulta.

Albert Einstein sintetizou muito bem essa ideia com sua famosa frase “Somos todos gênios”. Mas se você julgar um peixe por causa de sua habilidade de escalar uma árvore, viverá toda a sua vida acreditando que é estúpido “.

Como resultado, quem experimenta essa dor, pode se tornar uma pessoa rígida que não admite meias medidas em qualquer ordem de sua vida. Elas tendem a ser pessoas que tentam ser muito importantes e alcançar grande poder.

É provável que um fanatismo tenha sido criado por ordem, perfeccionismo ou mesmo caos. O ponto é que são pessoas que radicalizam suas ideias e, portanto, têm dificuldades em tomar decisões com segurança.

Para lidar com esses problemas, devemos trabalhar com desconfiança e rigidez mental, a fim de gerar maior flexibilidade e permitir a confiança nos outros.

5. Sentimentos de isolamento

Porque a nossa cultura teimosamente acredita que todas as mães são amorosas e que a maternidade é instintiva; Uma menina que cresce sem o amor de sua mãe, erroneamente acredita que ela é a única filha no planeta que está com essa falta.

É muito provável que ela se sinta isolada e assustada como resultado, e é provável que ela se isole por causa da profunda vergonha que sente.

Andrea Brandt, terapeuta familiar, aponta que, quando uma pessoa experimenta algum desses traços emocionais, é muito provável que ela aprenda a esconder parte de sua personalidade, o que pode causar sérios conflitos na saúde física, emocional e mental.

O reconhecimento é o primeiro passo em direção ao longo caminho de curar as feridas emocionais da infância e é aí que um profissional pode ser de grande ajuda.

Texto originalmente publicado no Despiertacultura, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Bem Mais Mulher

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.

COMENTÁRIOS