Por: Rincon psicologia

A dor silenciosa, quando ninguém entende sua dor

” Chorar é abalar o luto ” , escreveu William Shakespeare. E ele não estava errado. No entanto, existem circunstâncias em que não podemos expressar nossa tristeza, frustração ou raiva pela perda. Nesses casos, desenvolvemos um duelo silencioso.

Perder um ente querido ou um animal de estimação pode causar uma dor terrível. Essa dor é atenuada um pouco quando podemos expressá-la ou compartilhá-la com outras pessoas. Na verdade, uma das principais funções psicológicas dos ritos fúnebres é acompanhar os enlutados para fornecer-lhes o apoio e a validação emocional de que precisam. Quando, em vez de apoio, recebemos indiferença, podemos nos sentir compelidos a reprimir nossas emoções e sentimentos, resolvendo sozinhos o luto.

Quando ocorre um duelo silencioso?

Luto silencioso é aquele em que nos sentimos compelidos a esconder nossas emoções e carregar nossa dor sozinhos porque as pessoas ao nosso redor, implícita ou explicitamente, não são receptivas ao nosso sofrimento.

O problema é que, quando a dor não é compartilhada ou expressa, é provável que ela acabe encistando. Por isso, duelos silenciosos podem acabar sendo duelos não elaborados que nos acompanham por muito mais tempo do que o recomendado para nosso equilíbrio mental .

O luto não autorizado, como também é conhecido, faz com que nos sintamos solitários e incompreendidos, sem apoios para nos agarrarmos enquanto passamos por um momento particularmente difícil do ponto de vista emocional, por isso não é estranho que acabemos desenvolvendo depressão.

As 3 principais situações que rejeitam o luto

1. As circunstâncias silenciam a dor

Existem circunstâncias em que somos forçados a esconder nossa dor ou vulnerabilidade. Na verdade, não podemos esquecer que nossa sociedade vive a maior parte do tempo de costas para a morte e a perda, com pressa de virar a página e voltar à “normalidade”. Compartilhamos uma cultura generalizada de evitação, ritual mínimo e tristeza reprimida, na qual a fortaleza é exaltada à custa da tristeza. Isso pode fazer com que muitas pessoas não saibam o que fazer com seus sentimentos, porque se sentem compelidas a seguir em frente.

Muitas das mortes de Covid ocorridas no ano passado, por exemplo, geraram uma dor silenciosa. A morte tornou-se uma realidade mais onipresente do que nunca, mas também mais iludida pela impossibilidade de realizar os rituais fúnebres que nos dão apoio e conforto. Isso fez com que a dor não se expressasse, ficando presa nas solidões individuais. Na verdade, as pessoas que perdem um ente querido devido ao suicídio, um assunto que permanece tabu em nossa cultura, também têm maior probabilidade de desenvolver luto não autorizado, pois não encontram apoio de outras pessoas para compartilhar seu sofrimento com a perda.

2. Falta de sensibilidade de pessoas próximas

Na maioria dos casos, a tristeza silenciosa é causada pela falta de sensibilidade das pessoas próximas a você. Uma criança que perdeu um dos pais rejeitados pelo outro, por exemplo, terá dificuldade em demonstrar sua tristeza em casa. Uma pessoa que está do outro lado do mundo onde ocorreu a perda também pode ter problemas para expressar sua dor no ambiente onde está, porque não recebe a compreensão e o apoio de que precisa.

A perda de um animal de estimação também costuma resultar em pesar não autorizado, porque as pessoas ao nosso redor não entendem essa dor profunda e nos incentivam a virar a página o mais rápido possível. São muitas outras perdas que devem ser vividas em silêncio porque não geram a ressonância emocional necessária em quem nos rodeia, como a perda de uma gravidez, o fracasso de um projeto profissional ou a perda de um emprego.

Nestes casos, o mais comum é que as pessoas à nossa volta assumam duas atitudes: encorajam-nos a virar a página ou a afastar-nos. Quando nos falam “ acabou, não chore mais ” ou “ seja forte, ele não gostaria de te ver assim ”, a mensagem que vem para nós é que a nossa dor não é compreendida. Outras pessoas podem decidir ir embora pensando que isso as tornará menos incômodas, mas, dessa forma, elas nos deixam em paz com nosso sofrimento.

3. Problemas para expressar emoções

Às vezes, o luto silencioso não é devido ao nosso ambiente, mas à educação que recebemos. “A nossa sociedade esconde muito e nega o sofrimento, o que definitivamente não contribui para superá-lo ” , escreveu a jornalista Susana Roccatagliata após a perda de um dos seus filhos.

Muitas pessoas cresceram com mensagens de seus pais e figuras de autoridade que negam a expressão de emoções e acreditam que mostrar seu sofrimento e vulnerabilidade é uma coisa negativa. Em uma situação de perda, eles recorrem a modelos repressivos de emoções, escondendo o que realmente sentem. Eles se obrigam a transmitir uma imagem de força e segurança quando estão desmoronando por dentro. Se lhes perguntarmos como estão, responderão com um “bom” e resolverão a questão, para que se fechem a qualquer ajuda externa e vivam um luto silencioso.

O antídoto: escuta e acompanhamento

Superar uma perda, seja ela qual for, geralmente é difícil, tentar superá-la sozinho pode ser uma tarefa assustadora que nos deixa sem forças. Diante de uma situação de luto não autorizada, precisamos encontrar escuta e apoio. Como Longaker escreveu: ” Se você me ouvir me aceitando, sem tentar mudar meu humor, no final vou superar e posso até ser capaz de rir de novo .”

Se em nosso círculo de confiança não temos uma pessoa que nos escute, podemos procurar um grupo de apoio. A validação emocional pode fazer milagres, facilitar a aceitação e nos dar uma perspectiva mais objetiva da situação.

Quando uma pessoa consegue se expressar livremente e alguém a escuta de forma respeitosa, sem julgamento ou pressa, ocorre um “rearranjo” dos sentimentos e pensamentos relacionados à perda, para que possam continuar avançando no processo de luto até alcançando a Recuperação.

Essa pessoa geralmente não precisa de conselhos, sermões ou receitas para resolver sua situação, mas apenas de um pouco de tempo e compreensão para curar. Falar de memórias é uma forma de purificar o passado e aceitar os sentimentos e a nova realidade.

Origens:

Sánchez, T. (2020) Luto silencioso e furtivo: dificuldade em elaborar as mortes pela pandemia COVID-19. Studia Zamorensia ; 19: 43-65.

Tovar, OT (2004) O duelo silencioso. Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento Humano. Universidade Ibero-americana: México

Roccatagliata, S. (2000) Uma criança não pode morrer. Santiago do Chile: Grijalbo.

Longaker, C. (1988) Enfrentando a morte e encontrando esperança. México: Grijalbo.

Knieper, AJ (1999) O luto e a recuperação do sobrevivente do suicídio. Suicide Life Threat Behav ; 29 (4): 353-64.

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.