Nosso cérebro pode nos dar uma excelente lição para a vida.

É algo muito curioso, o nosso cérebro faz toda noite sem que tenhamos que pedir, a ativação de um certo mecanismo essencial para ignorar determinadas informações.

A explicação disso é científica, e quem explica são os neurocientistas da Universidade de Wisconsin-Madison, “o que ocorre é que as sinapses que crescem ‘exuberantemente’ durante o dia são ‘podadas’ à noite.

O engraçado é que, eliminando todas as informações desnecessárias, podemos memorizar melhor as memórias que realmente valem a pena. Os psicólogos da Universidade Johns Hopkins apreciaram que, quando esse processo não ocorre, quando nosso cérebro não consegue realizar essa “poda” adequadamente, nossas memórias se tornam mais confusas. Além disso, o esquecimento seletivo é essencial para reduzir o impacto emocional nos eventos ocorridos durante o dia.

Este processo ocorre naturalmente nos dá uma grande lição: manter velhos rancores, alimentar frustrações, reviver os dramas e dar demasiada importância a coisas que não merecem, só serve para criar o caos e insatisfação. O mais sábio é aprender a ignorar tudo o que não vale a pena e afeta nossa paz interior .

Cinco coisas que você deve ignorar para ser mais feliz

Uma frase budista afirma que “somente aquilo a que damos importância pode nos prejudicar “. Não são as situações, mas o significado que damos e como reagimos, o que determina seu impacto sobre nós. Portanto, se quisermos proteger nosso equilíbrio emocional, devemos aprender a ignorar algumas coisas.

  • O desprezo e crítica destrutiva. Lembre-se que uma crítica doentia diz mais sobre a pessoa que critica do que sobre quem é criticado. Não permita que críticas e desprezo afetem sua autoestima. Quando você gasta muito tempo prestando atenção à opinião que os outros têm de você, ou o que os outros querem que você seja, esquecerá quem você realmente é.
  • As pessoas que querem descarregar em você suas misérias emocionais. Há pessoas que se comportam como verdadeiros caminhões de lixo , que tentam descarregar em você seus medos, frustrações, aborrecimentos ou ansiedades. Não os deixe. Aprenda a detectá-los e crie um escudo protetor.
  • As pequenas frustrações do dia a dia. Um dia ruim é apenas um dia ruim. Vem e vai. Não há razão para ficar preso nessas pequenas frustrações. Se você aprender a ignorar esses contratempos assim que eles terminarem, você perceberá que pode retomar sua rotina com maior serenidade. Se você acumulá-los, você acabará carregando um fardo muito pesado. É apenas uma questão de colocar em perspectiva e perceber que não vale a pena arruinar o seu dia por esses contratempos.
  • Seu diálogo interno negativo Muitas vezes sua mente se torna seu pior inimigo. Portanto, em muitos casos é necessário aprender a silenciar esse ruído interno, os pensamentos obsessivos sobre o fracasso, medo e ansiedade. Na maioria dos casos, esse diálogo interno vem das expectativas que os outros depositaram em você. De fato, é provável que você se descubra dizendo frases que seus pais, professores ou casais lhe contaram. Se essas frases não permitirem que você avance e não faça você se sentir bem, ignore-as, à medida que o tempo passa, elas desaparecem até desaparecerem.
  • As situações que você não pode controlar. O taoísmo nos encoraja a fluir, não a forçar situações. Isso não significa adotar uma atitude passiva, mas aprender a detectar as oportunidades de agir e saber quando é contraproducente insistir em algo. Há muitas coisas que escapam ao seu poder, tentando controlá-las gera tensão desnecessária. Portanto, há momentos em que você deve esquecer tudo o que poderia dar errado e começar a confiar no fluxo da vida.

Um exercício para aprender a ignorar o que te magoa

Não é fácil ignorar certas coisas, certas pessoas, certas situações … Nem sempre sabemos como perceber o que pode nos prejudicar e nos apegamos a ela. Em outros momentos, ignorar significa cortar os laços, mudar nosso modo de pensar e nossas atitudes, algo que não é simples e exige muita coragem.

De qualquer forma, encorajo-o a fazer este exercício simples:

Pegue um lápis ou qualquer objeto pequeno que não quebre. Segure na sua mão e aperte com força. Imagine que esse objeto é uma das emoções, sentimentos ou pessoas que estão incomodando você e que sua mão representa sua mente ou consciência.

No começo, tudo parecerá um pouco estranho, mas pouco a pouco você se sentirá menos desconfortável e o objeto ficará mais familiar. No entanto, se você continuar apertando esse objeto, ele vai acabar machucando você.

Agora, abra sua mão e deixe o objeto rolar e cair no chão. Observe que foi você quem se agarrou ao objeto, ele não estava preso à sua mão. O mesmo vale para suas emoções, sentimentos e as pessoas que podem machucá-lo.

O problema é que nos apegamos tanto àquelas situações que esquecemos que podemos deixá-los ir quando queremos. De fato, quando sentimos raiva ou tristeza, dizemos “estou triste” ou “estou com raiva”, o que representa uma identificação com os estados que implicam apego a eles. Em vez disso, deveríamos dizer “sinto-me triste” ou “sinto raiva” e aprendo a deixar ir.

Como aplicar esta ideia para ignorar tudo o que nos prejudica?

– Não leve as coisas ao nível pessoal. Muitas das coisas que nos acontecem não são pessoais. Trazê-los para esse plano significa que você está dando a eles muita importância e você estará permitindo que eles afetem seu equilíbrio emocional. Portanto, é essencial que você proteja esse espaço e apenas permita que as coisas que realmente sejam significativas para você entrem.

– Não perca a perspectiva. Imbuída dos pequenos problemas da vida cotidiana, é fácil sermos dominados por essas pequenas insatisfações e retrocessos, para que possamos acabar perdendo o rumo. Lembre-se de sempre manter a perspectiva, concentre-se no que define você, seus objetivos e o que realmente o emociona. Não deixe que as insignificâncias lhe roubem a possibilidade de ser feliz hoje.

– Dê um passo atrás. Quando você sentir que as emoções estão dominando, dê um passo para trás. Pare, tire alguns minutos e recupere o controle. Refletir sobre por que essa situação está gerando essas emoções. É provável que você esteja reagindo de uma maneira exagerada ou que esteja conferindo mais importância do que você. Respire e deixe ir.

Âncora para o presente. Se você se sentir mal, é provavelmente por causa de algo que já aconteceu, que pertence ao passado. Portanto, não faz muito sentido continuar alimentando esses sentimentos. Para deixá-los ir, apenas ancore-se ao presente. Concentre-se em todas as coisas positivas que você tem agora. A chave está em aprender a mover-se do passado que o mantém sujeito ao presente.

Texto originalmente publicado no Rincon Psicologia, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Bem Mais Mulher

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.