Um idoso de 90 anos morador da zona rural da Lapa, precisou percorrer 30 km até o centro o Centro de Curitiba e ser carregado no colo para o interior de uma agência do Banco do Brasil, o motivo é o que mais gera revolta: Ele precisava provar que estava vivo para ter o pagamento da sua aposentadoria desbloqueado. 

O fato aconteceu no dia 28 de junho e o idoso Vilson Sático Bitencourt, acabou falecendo no dia 2 de julho. Com muita revolta a filha Simara Bitencourt falou do caso. “É uma total falta de respeito um senhor de 90 anos passar por isso”

Benefício bloqueado

Simara conta que foi como de costume até a agência bancária receber a aposentadoria do pai que é de um salário mínimo R$ 998, mas o funcionário da agência informou que o benefício estava bloqueado e que o idoso teria que fazer a chamada “prova de vida”, que está sendo exigida pelo INSS.

Esse mesmo funcionário, segundo a filha do idoso, informou que ela poderia levar o pai até a frente da agência e que o aposentado não precisaria nem descer do carro para fazer a prova. Mas para a surpresa da mesma esse procedimento não adiantou. “Ele [o funcionário] falou que teve uma reunião de manhã no banco e que recebeu a orientação de que não poderia mais ir até o carro”, afirmou Simara.

E a burocracia não parou por ai, Simara foi orientada então a ir a uma agência do INSS, chegando lá ouviu que teria que voltar para o banco. Como o idoso necessitava da aposentadoria junto com o irmão ela tomou a decisão. Levaram o pai até a agência com o irmão carregando o idoso no colo. Ela fez questão de registrar as imagens do sacrifício do Pai e do irmão.

O idoso até o ano passado conseguia ir andando até a agência, porém de janeiro para cá os problemas de saúde tiraram a vitalidade dele, e cinco dias após ter ido agência o Sr. Vilson Sático, veio a óbito em casa.

Meu pai sentiu. Escorria lágrima do olho dele. Ele não conseguia falar, mas ele chorava. Ele sabia que tinha que vir. Até três dias atrás ele estava consciente que precisava fazer a prova de vida. Aí acontecer isso com ele. Só não falava porque estava fraquinho”, desabafa

O que informou o Banco do Brasil

O Banco do Brasil explica que para realizar a prova de vida é necessário capturar a biometria do beneficiário e digitar uma senha. Por esse motivo o procedimento necessita ser feito dentro do banco.

No caso do Sr Vilson as informações dadas tanto pelo Banco do Brasil quanto pelo INSS se diferem. O Banco disse que no caso do idoso a família deveria procurar o INSS, mas que era necessário de qualquer forma o idoso teria que ir a agência bancária.

Já o INSS informou que no caso de pessoas com dificuldades de locomoção, como o caso do Sr. Vilson, a prova de vida poderia ser agendada com a visita de um servidor do INSS na própria residência.

Agendamento “prova de vida”

O INSS informa que o agendamento pode ser feito em uma das agências do órgão, pelo telefone 135 ou no site do INSS. Mas mesmo assim Simara fazendo esse agendamento, recebeu orientação de voltar ao banco.

A pergunta que fica, de quem é a culpa?

Assista a reportagem: 

Com informações:G1

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.