Da Revista Pazes
Claudia Dias Batista de Souza é o nome de batismo da Monja Coen. Antes de se tornar a mais famosa praticante e líder budista do Brasil, ela foi gente como a gente – talvez até um pouco mais louquinha.

Prima de Sergio Dias e Arnaldo Batista, dos Mutantes, Coen foi casada algumas vezes – uma delas, com o iluminador dos shows do Alice Cooper – e acabou presa na Suécia por tráfico de LSD. Foi apenas aos 36 anos que ela começou a meditar.

Em um mundo vaidoso e repleto de pessoas, podemos perceber que existe o medo de estar só, por isso sempre precisamos do outro e nunca aprendemos a ser uma boa companhia para nós mesmos. Monja Coen comenta sobre o assunto.

Leia Também: Como andar reto por uma rua cheia de curvas? Monja Coen propõe esse desafio

Fonte: Provocações Filosoficas

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.