Por: 

“As pessoas mais belas com as quais me encontrei são aquelas que conheceram a derrota, conheceram o sofrimento, conheceram a luta, conheceram a perda e encontraram sua forma de sair das profundezas. Estas pessoas têm uma apreciação, uma sensibilidade e uma compreensão da vida que nos enche de compaixão, humildade e uma preocupação amorosa profunda. As pessoas belas não surgem do nada”.
Elisabeth Kübler-Ross

Assim que li lembrei de uma historinha simples que ouvi nas palestras da Profa. Lucia Helena Galvão, da Nova Acrópole. Ela conta sobre a diferença das visões sobre BELEZA no Oriente e no Ocidente.

Um jovem ocidental foi visitar um povoado no qual lhe disseram que havia uma mulher de uma beleza absolutamente deslumbrante e por isso era famosa neste povoado. Então ele perguntou a uma pessoa.

– Como faço pra chegar na casa dessa mulher que todos dizem ser extremamente bela?

– Claro! Explico pra você. Vá até o final da rua tal, depois suba uma ladeira que fica à direita, mais a frente você encontrará uma casa de cor tal. Bata na porta que ela abrirá pra você.

– Muito obrigado!

Chegando lá, bateu na porta e uma senhora de quase 90 anos abriu e o convidou pra entrar. A princípio ele estranhou que uma idosa fosse considerada a mais bela mulher no povoado, mas bastou ele ouvi-la por alguns minutos para se certificar na verdade profunda que todos diziam. Sua sabedoria, sua amorosidade, seu acolhimento, sua humildade e tantas outras virtudes a faziam ter um brilho único que a tornava mais bela do que qualquer outra pessoa do povoado.

Essa pequena história tem uma relação direta com as palavras do início do texto. As pessoas mais belas são aquelas que desenvolvem as virtudes mais nobres como estas que citei e outras mais como o respeito pelas diferenças, paciência, gentileza, autoconfiança etc.

Ninguém nasce com essas virtudes evidentes no comportamento. Isso precisa ser aprendido, e só pode ser aprendido se desde pequenos temos alguém que possa ensinar tais virtudes.

É interessante perceber que as pessoas belas, todas elas, sem exceção, viveram sofrimentos, dificuldades, desafios, perdas… Mas foi exatamente tudo isso que contribuiu para torná-las belas. Pode parecer cliquê, mas é um fato. Existem milhares e milhares de pessoas que são lindas na aparência do corpo, mas por dentro são vaidosas, arrogantes, prepotentes, mesquinhas, intolerantes… Ao mesmo tempo existem as que não tem um corpo exuberante, considerado bonito aos padrões vigentes, mas por dentro são um poço de amor, de carinho, de respeito, de alegria, de compaixão. Essas são as pessoas mais belas que existem!

Sonho em ver o mundo inteiro compartilhar dessa verdade tão singela e ao mesmo tempo tão transformadora.

Quero concluir falando sobre as minhas avós, ambas falecidas, mas que foram pessoas que me ensinaram imensamente. Dona Francisca Oliveira e Dona Amélia Alves.

As duas vieram do interior do Ceará, das cidades de Itaiçaba e Aracati. Não sei se por coincidência ou não. Ambas tiveram 12 gestações, 9 filhos vivos e 3 filhos que ou morreram cedo ou não vieram a nascer devido a abortos espontâneos.

Tiveram pouquíssima instrução escolar. A Dona Francisca era analfabeta e a Dona Amélia estudou até o fundamental I. Foi no convívio com elas que desde menino aprendi que sabedoria é absolutamente diferente de conhecimento. Elas foram extremamente sábias. Mulheres com uma fortaleza interior imensa para cuidar de tantos filhos com dignidade, ensinando valores éticos e morais através do próprio exemplo.

Elas eram muito trabalhadoras. Acordavam super cedo pra conseguir dinheiro e manter a família. A Dona Francisca vendia tapioca e fazia objetos artesanais com palha para conseguir boa parte da renda. Seu esposo, meu avô, Seu José, era pescador. Homem humilde e simples. Era caladão, mas ele provava pelo seu próprio comportamento uma beleza imensa.

Dona Amélia ficou viúva relativamente jovem. Teve que ser pai e mãe ao mesmo tempo. Como ainda tinha vários filhos pequenos ficava mais em casa cuidando deles e administrando as finanças que vinham dos filhos mais velhos que já tinham idade para trabalhar. Através do seu carisma e muitas amizades que tinha, não foi difícil eles conseguirem emprego. Alguns até diziam: “É filho da Dona Amélia? Posso confiar plenamente…”.

Ela tinha uma fé em Deus muito forte e dava testemunho dessa fé sem moralismos, somente através do exemplo. Sua vida era se doar para todos que pedissem sua ajuda e eu tenho a impressão que essa disponibilidade contribuiu demais pra sua vida longeva. Ela faleceu em 2014 com 100 anos de idade!

Elas são duas das pessoas mais belas que conheci na vida e me ensinaram imensamente. Muito do que sou hoje devo a elas. Minha tendência para a escrita tem uma forte veia da Dona Amélia, que escrevia muito bem, mesmo com pouca escolarização. O gostar de ouvir atentamente também vem muito dela.

A humildade aprendi com as duas, mas como convivi mais com a Dona Francisca, ela transmitiu com maior ênfase. O senso de ética e justiça vem muito dela também. Ela sempre dizia que precisamos ganhar nosso dinheiro honestamente e que toda mentira sempre será descoberta, e por isso mesmo, pense milhões de vezes antes de mentir para alguém.

Poderia escrever muitas outras coisas sobre elas, se fosse escrever esse texto viraria um catálogo! hehe

Que essas breve reflexão faça você olhar com mais atenção para as pessoas que mais lhe ensinaram as grandes virtudes. Sem dúvida, elas são as pessoas mais belas que você tem na vida…

  • Siga a Revista Bem Mais Mulher no Instagram aqui.
  • Curta a Revista Bem Mais Mulher no Facebook aqui.

Autor:Isaias Costa
Via: OPovo

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.