Por: Soraya Rodrigues de Aragão

Estou em uma fase da vida que cansei de me enganar. Doravante desejo ser e ter tudo o que é verdadeiro, a começar pelas amizades.

Compreendi a duras penas que nada nem ninguém nesta vida valem a minha paz. Cansei de situações medíocres, de meias verdades, de vínculos com interesses outros, de dias sem tempero, de situações mornas, de esboços mal elaborados, de portas entreabertas, de cacos mal colados.

Bem sei que mudanças podem surgir, mas já aprendi a ser desbravadora da trama da minha vida, seja comédia ou drama.

Estou vivendo um tempo de quimera lúcida por tudo que desejo conquistar, daquilo que quero ter, onde e com quem quero estar. Chega um momento em que o cansaço grita vitorioso pelo que não ficou de vir, das promessas que não foram cumpridas, das expectativas infundadas, de pessoas isoladas que fundamentam o seu desinteresse como sua nova forma de viver.

Nada se constrói no isolamento; este é condição precípua para a decadência de qualquer coisa que algum dia desconfio ter estanciado vivências verdadeiras.

Leia mais: Como funciona o cérebro de cada signo

Estou em uma fase da vida que cansei de me enganar. Cansei de me trair. Por que o pior dos enganos é aquele que parte de nós mesmos, convencendo-nos de que tudo um dia poderá mudar, situação esta perigosa que sufoca em forma de aconchego, onde não existe mais abraço.

Chega um momento que precisamos nos convencer que a mudança é necessária, que a situação findou, que a condição mudou, porque o chão ruiu, quase nada ficou. Quem recua não quer guerra e agora só tem espaço para a paz e a harmonia. Então é hora de deixar de fingir que está tudo certo, que as coisas não precisam de ajustes.

Melhor é habitar noutro lugar, firmar novos alicerces, derrubar velhos muros, galgar novas estradas, construir novas pontes, transportar novos mares. E isto vale para qualquer coisa que não tenha mais legitimidade. E se para onde eu for, houver enganos, saberei encontrar o caminho de volta nos atalhos do meu coração.

Hoje quero sonhar com uma nova vida, construída com mais lucidez e sabedoria, e quero vive-la aqui e agora com toda a intensidade que ela tem para me oferecer, desabrochando a alma em novos recônditos, florindo novos caminhos, vislumbrando novos horizontes, pois o tempo não espera, e apesar dos meus passos lentos e do desapego da minha ânsia de tudo, eu ainda tenho pressa. Pressa de ser feliz.

Fonte: Revista Pazes

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.