Em janeiro de 2022 a distante ilha de santa helena ficou em festa, afinal, o morador mais antigo da ilha completou 190 anos. Quando a tartaruga Jonathan ali chegou, não havia fotografia, lâmpada incandescente e nem mesmo o telefone, a Torre Eiffel não tinha sido construída, Napoleão Bonaparte, que viveu seus últimos dias de vida nesta pacata ilha, era um jovem de apenas 18 anos.

A tartaruga Jonathan completou 190 anos, e é reconhecido pelo Livro dos Recordes como o ser vivo terrestre mais velho do mundo e desta ilha Santa Helena.

Foto: Getty Imagem

Conforme registros, o nascimento do réptil em 1832 foi uma data calculada por algumas estimativas anteriores, registradas em documentos, afinal, uma foto tirada em 1882, já apresentava o animal com 50 anos de idade. Naquela imagem mostrava a chegada de Jonathan na ilha de Santa Helena, meio do Atlântico Sul, vindo do arquipélago de Seychelles, um grupo de ilhas localizada a norte e nordeste de Madagascar, costa sudeste do continente africano. O quelônio mais antigo da história desembarcou na ilha onde vive como sendo um presente para William Grei-Wilson, que governou Santa Helena de 1887 a 1897.

Foto de Jonathan tirada por volta de 1886, em Santa

O jardim da residência governamental, por onde 31 governadores já passaram desde a sua chegada, é o local preferido de Jonathan para pegar sol e passear lentamente. Os efeitos da idade chegam para todos, e também começaram a chegar para a tartaruga, que já não enxerga nem sente cheiros, e precisa ser semanalmente alimentado pela mão dos veterinários para garantir a quantidade de calorias, vitaminas e minerais que precisa para manter sua saúde, já que nem sempre ele consegue identificar os alimentos no solo. Sua audição, porém, segue aguda e precisa, e Jonathan responde aos chamados do veterinário de imediato e adora a companhia humana.

A tartaruga sob os cuidados do veterinário Joe Hollins

“Ele é um ícone local, um símbolo de persistência diante das mudanças”, afirmou Joe Hollins, veterinário que cuida do animal na ilha. Segundo o especialista, Jonathan adora o sol, mas foge para a sombra quando o calor aperta. “Nos dias mais amenos, ele toma banho de sol, e estica para fora do casco seu longo pescoço e suas pernas, para absorver o calor”, afirmou, confirmando que o quelônio passou bem o inverno. A libido do animal também permanece juvenil: consta que é comum encontrá-lo acasalando com as tartarugas Emma e Fred. O título de quelônio mais velho do mundo supera o recorde anterior, que pertencia a Tu’i Malila, uma tartaruga que viveu 188 anos.

O quelônio diante da casa governamental da ilha, em seu jardim preferido

Com informações: hipeness

Fotos: Guinnes Records/ Getty Imagens

RECOMENDAMOS






Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.