“Recebi um telefonema em outubro de 2017. Era um número que não reconheci, então, como normalmente faço, não atendi.

Imaginei que, se precisassem de mim, deixariam uma mensagem de voz. Bem, esse número deixou uma mensagem de voz, mas não para mim. Esse número estava ligando para falar com o neto dela, Barry.

A pessoa que estava ligando se chamava vovó Margaret. Liguei para ela para avisá-la que estava ligando para o número errado, mas levou vários meses para a vovó Margaret perceber que meu número não era o de Barry.

Ela ligava uma vez a cada duas semanas para checar Barry – se ele precisava de calças ou qualquer outra coisa que ele precisasse. Eu ligava de volta para ela para que ela soubesse que ainda era eu e conversávamos um pouco a cada vez.

Em 19 de dezembro de 2017, a vovó Margaret me ligou pela última vez pensando que eu era Barry. Ela ligou para lhe desejar feliz aniversário, mas novamente disse que ainda era eu.

Bem, 5 dias depois, vovó Margaret ligou novamente , mas desta vez a mensagem de voz que ela deixou disse: – Feliz Natal, Callie! Eu descobri o número de Barry. Obrigado por ser minha amiga, sempre vou te amar!

Desde esse telefonema, continuamos a amizade. Toda vez que ela ligava, eu intencionalmente não respondia porque queria que o correio de voz ouvisse mais tarde, quando eu precisava de um pouco de animação.

Eu sempre ligava para ela de volta, mas eu só precisava das mensagens de voz para poder ouvir sempre que eu precisava sorrir.

Apenas cerca de 6 meses antes de a vovó Margaret começar a me ligar, eu acabara de descobrir que meus pais estavam se divorciando. Essa notícia me afetou, e eu lutei muito com isso. Eu sou a segunda mais velha de quatro filhos com dois pais incríveis.

O choque do divórcio tirou muito de mim e dos meus irmãos, mas somos abençoados por eles ainda serem melhores amigos e se darem muito bem. Enquanto passava esse tempo processando a notícia do divórcio dos meus pais, a vovó Margaret começou a me ligar.

Quando ela percebeu que era o meu número e não o de Barry, fiquei imaginando se algum dia ouviria falar dela novamente. Três meses de telefonemas dela trouxeram tantos sorrisos e risadas durante esse tempo que eu não estava pronta para isso. Bem, cerca de uma semana depois, ela ligou e disse: ‘Olá Callie, esta é a vovó Margaret. Estou ligando só para dizer que tenha um bom dia.

Te amo e você tenha um bom dia. Me liga, sempre vou te amar, o sorriso no meu rosto passou de orelha a orelha. Eu liguei de volta e conversamos. Nós conversamos uma vez por semana por cerca de 5 minutos para checar saber uma da outra. Esses telefonemas continuaram por cerca de um ano e meio. Nós sempre discutimos como queríamos nos encontrar, mas nunca agendamos.

Cerca de um mês atrás, a vovó Margaret ligou e disse: ‘Olá, Callie, eu estava ligando para dizer que tenha um dia abençoado e para ver se você queria vir me ver em breve, e terminou com  “sempre vou te amar”.

Agora em março, minha mãe e eu fomos ver vovó Margaret. Nós a pegamos e a levamos para almoçar. Conversamos e rimos sobre a nossa história. Esta senhora é tão maravilhosa pessoalmente como é ao telefone.

Ela quer que todos sejam felizes e faz o que pode para trazer alegria para ela e para a vida de todos. Me sinto muito abençoada por esta doce senhora chamada número errado. Quem diria que um número errado teria criado uma amizade tão incrível? A vovó Margaret não é apenas uma amiga, mas agora é da  família.

Posted by Callie Hall on Saturday, March 2, 2019

Texto originalmente publicado no Love What Matters, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Bem Mais Mulher

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.