Um caso raro aconteceu na Alemanha no ano passado, mas só foi divulgado nesta semana. Após 27 anos uma mulher acordou de um coma e a primeira coisa que fez foi chamar pelo filho.

Munira Abdulla sofreu uma lesão cerebral grave após o carro que estava se envolver em um acidente nos emirados Árabes em 1991. Na época Abdulla tinha 32 anos é o carro que viajava colidiu com um ônibus no caminho de volta da escola do filho, Omar Webair.

Omar que na época do acidente tinha apenas 4 anos, estava no banco de trás do veículo com a mãe, ele só lembra que ficou ileso porque a mãe o embalou em seus braços momentos antes do acidente.

Eu nunca desisti!

Abdulla hoje com 59 anos, não tinha perspectiva nenhuma de reverter o quadro. Mas no ano passado recuperou a consciência em um hospital na Alemanha.

View this post on Instagram

When Munira Abdulla fetched her son Omar, 4, from school in 1991, she could not have known she would not see him again for 27 years. A few minutes into their journey home their vehicle collided with a school bus, leaving Ms Abdulla, 32 at the time, with a serious brain injury. Omar – cradled by his mother before the impact – escaped with a bruise to the head. She was left in a coma and doctors believed she would probably never open her eyes again. That was until last year, when she regained consciousness in a German hospital room. Her family spoke exclusively to The National about their ordeal for the first time, describing a modern-day miracle. “I never gave up on her because I always had a feeling that one day she will wake up,” said her son Omar Webair, 32. . Visit www.thenational.ae to read the full story . 📸: Khushnum Bhandari . . . . #TheNationalUAE #MiddleEastExplained #Emirati #MotherAndSon #Miracles

A post shared by The National Newspaper (@thenationaluae) on

Omar muito emocionado falou a BBC sobre o caso. “Eu nunca desisti porque sempre tive a sensação de que um dia ela acordaria. A razão pela qual eu compartilhei sua história é dizer às pessoas para não perder a esperança com seus entes queridos. Não os considerem mortos quando estão em tal estado”.

“Minha mãe estava sentada comigo no banco de trás. Quando ela viu que o carro iria bater, ela me abraçou e me protegeu do golpe”, relembra o filho.

Durante os 27 anos Abdulla se alimentou por sondas e fez sessões de fisioterapia, para que seus músculos não se deteriorassem muito com o tempo.

Após muita luta em abril de 2017, Omar conseguiu que a mãe recebesse um benefício da Corte Real, um órgão governamental de Abu Dhabi, para que fosse levada a um hospital de ponta alemão. Após um ano, depois de alguns dias que o filho havia discutido com a equipe de enfermagem, a mulher acordou e chamou pelo nome dele.

“Houve um mal-entendido no quarto do hospital e ela sentiu que eu estava em risco, o que causou um choque. Ela estava fazendo sons estranhos e eu continuei chamando os médicos para examiná-la, eles disseram que tudo estava normal”, relembra Omar.

“Então, três dias depois, acordei ao som de alguém chamando meu nome. Era ela! Ela estava chamando meu nome, eu estava muito feliz. Por anos eu sonhei com esse momento, e meu nome foi a primeira palavra que ela disse”, completa o homem, emocionado.

Desde então, Abdulla tem evoluído consideravelmente. Ainda na Alemanha, ela fez uma cirurgia para tratar os músculos enfraquecidos. Até que ela recebesse alta, os médicos priorizaram a realização de sessões de fisioterapia e tratamentos para controlar um quadro de epilepsia.

“Nosso principal objetivo era conceder a sua frágil consciência a oportunidade de se desenvolver e prosperar em um corpo saudável, como uma planta delicada que precisa de um bom solo para crescer”. disse ao “The National” o neurologista Ahmad Ryll, responsável pelo tratamento de Munira na clínica Schoen, na Alemanha.

Agora Abdulla e Omar retornaram para a cidade de origem, onde ela vai seguir fazendo o tratamento. Segundo o filho a mãe já consegue conversar com ele, e faz até as próprias orações.

Com Informações:O Globo

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.