“A paciência é a força dos fracos e a impaciência, a fraqueza dos fortes ” , disse Immanuel Kant.

No entanto, séculos antes, muitos filósofos já haviam elogiado a virtude e os benefícios da paciência, uma das qualidades que mais sofreu na sociedade moderna, onde tudo está girando a um ritmo vertiginoso e as mudanças estão acontecendo uma após a outra, sem nos dar tempo para consolidar as novas habilidades que adquirimos.

A vida líquida não contempla a paciência

O sociólogo Zygmunt Bauman referiu-se aos tempos modernos como uma “vida líquida”. Que a vida é caracterizada por não manter uma certa direção porque, sendo líquido, não mantém a mesma forma por um longo tempo. Em princípio, a possibilidade de mudar e adaptar-se ao meio ambiente não é uma coisa negativa. O oposto.

No entanto, o problema é que um alto nível de “liquidez” acaba por produzir precariedade e incerteza. Estamos obcecados por não perder o trem da atualização, embora essa adaptação seja superficial e circunstancial, o objetivo é que eles não nos separam por terem sido “obsoletos”. Enquanto isso, há uma perda de referentes claros e sólidos, e é por isso que andamos cegamente.

Nesse movimento vertiginoso as rotinas mudam antes que as anteriores possam ser consolidadas, os ativos se tornam passivos e as habilidades em deficiência em um piscar de olhos. Essa visão do mundo torna as pessoas “bem-sucedidas” as mais ágeis, leves e voláteis que consideram a novidade como uma boa notícia, a precariedade como valor e instabilidade como motivação.

Nessa sociedade líquida não há espaço para a paciência. O “Eu quero isso” deve ser imediatamente transformado em “Eu tenho”. A necessidade profunda de imediatismo muitas vezes nos impede de tolerar a frustração e até adiar algumas recompensas para maiores benefícios. Então nos entregamos voluntariamente ao estresse, à ansiedade e à frustração.

Essa dinâmica nos destrói porque, afinal, por muito que desejamos, não podemos acelerar o ritmo com o qual as coisas chegam à nossa vida, esse ritmo natural tem seus próprios tempos e não podemos violá-lo demais.

Ir mais rápido significa muitas vezes ficar frustrado e sofrendo, tentando perder energia psicológica valiosa, enquanto nos esquecemos de aproveitar as coisas que já temos e conseguimos. Assim, nos tornamos cobaias correndo dentro de um labirinto, atordoados por sua própria velocidade.

O bom sempre leva tempo, porque o que é fácil vem, fácil vai

O imediatismo nos faz tomar decisões precipitadas que podemos nos arrepender depois porque, focados apenas na recompensa, esquecemos de calcular todos os fatores e prever as conseqüências.

Nas filosofias orientais, como o budismo e o taoísmo, a paciência é uma das virtudes mais louvadas. De fato, um dos conceitos mais poderosos do taoísmo é ” wu-wei “, o que significa, literalmente, a inação ou a ação. Isso não implica ficar de pé, mas deixar a vida fluir e nos preparar para aproveitar as oportunidades quando batem na nossa porta.

Pense, por exemplo, numa flor que cresce naturalmente. No entanto, se essa flor desenvolve uma consciência semelhante à nossa, é provável que comece a se preocupar com o processo de floração. Você pode saber qual a cor das suas folhas, como você poderia acelerar o processo usando fertilizantes, quanto custa e se você pode pagar.

Você também se perguntará se será mais bonito e maior que a flor que cresce ao lado dela. Assim, o que é um processo natural pode se tornar um trauma real.

Em muitos casos, tudo o que temos a fazer é deixar a vida fluir. Trata-se de livrar-se dessa obsessão com o imediatismo e expandir a nossa consciência, passando do presentismo para assumir uma perspectiva mais ampla e aberta que nos permite ver a imagem como um todo, compreendendo as conexões existentes.

Devemos estar plenamente conscientes de que, entre a “plantação e colheita”, há um período dedicado a “regar e aguardar”.

Lembre-se que a paciência não é a capacidade de esperar, mas a capacidade de manter uma boa atitude enquanto espera. O curta de Michale Warren e Katelyn Hagen intitulado ” The Counting Sheep ” nos mostra precisamente a importância de esperar pacientemente, não tomar decisões permanentes por causa de emoções temporárias.

CGI 3D Animated Short Film 'The Counting Sheep Short Film' by …

У каждого свое предназначение и свой путьСмотрим и наслаждаемся CGI 3D Animated Short Film "The Counting Sheep Short Film" by Michale Warren & Katelyn Hagen

Posted by Staya Jobs on Friday, September 29, 2017

É uma abreviação perfeita para transmitir a importância da paciência para as crianças e impedir que elas construam uma vida líquida quando são adultos. É provável que seus autores tenham sido inspirados no livro “O rebanho”, Margarita del Mazo, que nos deixa uma ótima lição de diversidade, liberdade individual e respeito pelos outros.

Neste caso, a história é sobre uma ovelha diferente, que simplesmente não queria pular a cerca porque estava cansada de sempre fazer o mesmo e seguir um roteiro que não a motivava e na qual não tinha poder de decisão.

Embora seja um livro destinado às crianças, é provável que mais de um adulto se sinta identificado com o protagonista, pois suscita reflexões muito interessantes sobre a vida que lideramos.

Tradizido e adaptado pela Equipe da Revista Bem Mais Mulher
Fonte: Rincon Psicologia

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.