“A solidão da negra começa na infância”

Essa frase é da empresária e youtuber Ana Paula Xongani, de 30 anos, que usou as redes sociais para compartilhar um caso de racismo envolvendo a filha, de 4 anos.

Xogani descreveu na publicação o momento em olhava a filha no playground, quando a viu ser deixada de lado pelas crianças estavam brincando, isso aconteceu em São Paulo, no prédio onde morava. O texto viralizou.

Veja o texto:

Em lágrimas escrevo:

Tem muita coisa linda na maternidade, mas tem muitas dores também. Ser mãe de uma menina preta me trouxe muitos medos, muitos desafios e muita força.

É muito triste ver a sua filha sendo rejeitada! Mesmo antes de dizer “Olá!” ela chega perto e todas correm, ela se aproxima, e todas as outras se agrupam, ela chama e ninguém responde. Isolam-a, excluem-a, a machucam.

Ela não entende, mas sente. Não reclama, mas entristece. Meu coração parte!

Dessa vez eu tava aqui espiando, chorando e pensando em formas de acolher a minha filha. Dessa vez eu chamei ela pro meu colo, abracei, disse que ela era linda e inteligente, falei que a amava.

Mas e quando eu não estiver?

A gente sempre fala da solidão da mulher negra, muitas vezes relacionada a afetividade adulta. Mas essa solidão começa muito cedo, começa na infância. O racismo é aprendido pelas estruturas e reproduzido pelos pequenos de forma assustadora. Tivemos avanços, mas as nossas meninas negras ainda são preteridas, rejeitadas, isoladas.

Leia mais: “A Cabana” – adaptação religiosa para lavar a alma

À minha filha eu perguntei:
– Suas amigas não querem brincar?

E ela me respondeu:
– É sempre assim mãe, mas eu não me importo, gosto de brincar sozinha.

Será que gosta? Ou aos 4 anos já se protege na solidão?

E pra você que acredita que é “coisa de criança” certamente você nao é uma mulher negra. Nós mulheres negras vivemos esses mesmo traumas na infância, foi ruim mas com o passar do tempo a gente esqueceu, superou ou refletiu em outros momentos da vida. Mas, ser mãe te faz reviver alguns deles, e dessa vez de forma mais intensa e muito mais dolorosa.

Doe muito!

*Gravei e publiquei um vídeo/desabafo no canal do youtube Ana Paula Xongani – nome do vídeo: ‘Tenho Pressa’*”

Assista ao vídeo:

O post gerou centenas de comentários de apoio e indignação: “Doeu ler esse relato, como mãe, como ser humano, como mulher”, postou uma internauta. “Isso vem de casa… criação e educação. Muito triste em ver que isso acontece com crianças que são seres puros e inocentes”, disse outra.

E um dos posts uma mãe lembrou que o racismo acontece na própria família: “A realidade é dura e dolorosa, também sou mãe de uma menina negra. Infelizmente até mesmo na família sofremos essas violências ora sutil, ora mais evidente. Fortaleça no amor uma pela outra e ensine-a sobre o enfrentamento a essas ações”

Veja o post:

Em lágrimas escrevo:Tem muita coisa linda na maternidade, mas tem muitas dores também. Ser mãe de uma menina preta me…

Posted by Ana Paula Xongani on Tuesday, May 15, 2018

Com informações: Revista Marie Claire

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.

COMENTÁRIOS