No começo éramos dois. Os dias passavam com uma cumplicidade mágica, permitindo improvisação, planos de última hora.

Agora somos três, talvez quatro … Agora nos aninhamos como pássaros em uma árvore, agora os dias têm rotinas, seus padrões, eles vão mais devagar e eles sabem como ser mais felizes . Agora somos uma ótima equipe, a melhor.

Sófocles disse em seus textos que os sortudos que nascem em uma boa família têm uma vida meio resolvida . Isto é assim por uma razão muito simples: a família é o nosso primeiro cenário social, um ambiente onde a solidez dos bons exemplos, as raízes de um afeto seguro e as bases dessa identidade que vamos polir com o tempo, com a vida.

“O primeiro elo da sociedade é o casal, depois os filhos que moldam a família”

-Cicerón-

É muito comum olhar para trás e lembrar daqueles tempos, naqueles dias em que havia apenas dois de nós . Pode até ser que a frase “criar uma família” não venha à mente, simplesmente porque estávamos bem com a nossa situação. Porque não queríamos mais nada. No entanto, muitas vezes temos o desejo, as ilusões e a necessidade de iniciar um projeto em comum com a pessoa que amamos.

O objetivo não pode ser mais bonito. No entanto, é conveniente lembrar um aspecto essencial. Aquela criança que vai chegar é da responsabilidade de dois. Não vamos cometer o erro de delimitar territórios, de colocar responsabilidades de acordo com os gêneros, de acordo com o que depende do pai e de acordo com o que a mãe deve fazer.

As crianças não são nominativas, na verdade é o contrário: nós pertencemos a elas e dali devemos oferecer o melhor de nossas essências, de nossos corações …

Você e eu somos a melhor equipe

As melhores lições da vida não vêm em livros ou em manuais de instrução. Estamos aprendendo por nós mesmos de acordo com nossas experiências, nossos desafios diários e através de nossas realidades pessoais.

Portanto, ao criar um filho, não devemos seguir a carta e rigorosamente o que nos é dito pelos manuais dos pais, nossos pais ou nossos melhores amigos. Podemos receber conselhos, e isso é bom, maravilhoso de fato, mas somos nós que, a partir de nossas realidades e circunstâncias pessoais, daremos forma à nossa dinâmica familiar, nossas regras, nossas prioridades.

Fazer uma equipe, chegar a acordos com o casal é, sem dúvida, o primeiro passo quando eles, nossos filhos, chegam de um dia para o outro. É então quando podemos ser guiados pelos seguintes conselhos, aqueles que, na realidade, podem nos servir como um ponto de partida como uma reflexão.

Você e eu estamos acima de todos os casais e continuaremos a olhar olhos nos olhos

A chegada de um bebê em casa é como um pequeno redemoinho que muda tudo, intensifica tudo, inclusive nossas emoções, responsabilidades e tarefas. Às vezes há tantos, que entre cansaço , algumas horas de sono, medos e atividades diárias com o bebê, nos esquecemos de nos olhar nos olhos.

Leia Mais: “O filho que eu queria abortar salvou a minha vida”, afirma a atriz Giulia Michelini

-É essencial que o casal não negligencie o vínculo de contato, onde eles reconhecem as necessidades, onde saber quando a mamãe deve descansar e o pai deve cuidar disso ou vice-versa.
-Olhar nos olhos um do outro também é uma maneira de acalmar a afeição , para nos lembrar “Estou aqui, com você e estamos indo muito bem, somos uma grande equipe”.

Na boa equipe ninguém perde

É muito comum que quando um casal tem um filho, é valorizado o de deixar o trabalho ou pedir uma redução nas horas de trabalho. Se isso for feito, deve ser uma decisão bem pensada e falada. É um passo que tanto o pai quanto a mãe podem dar de forma igual.

-No entanto, há um ponto “chave” que deve ser levado em consideração . Ninguém deve ter a sensação de que ele renuncia a algo , que é sempre ele que “perde” quem sempre cede. Ter um filho não deve significar desenvolver esse sentimento desconfortável de que algo está sendo perdido, mas sim o oposto.

Portanto, é vital que as tarefas e responsabilidades sejam acordadas, que as obrigações sejam compartilhadas e que essa necessidade seja sempre buscada para favorecer o bem-estar de todos os membros da família.

Ninguém “ajuda” ninguém, a boa equipe sabe quais são suas responsabilidades

Isso é algo que muitos casais já sabem muito hoje em dia: nem o pai ajuda a mãe em suas tarefas domésticas, nem a mãe ajuda o pai nas responsabilidades familiares . Em uma casa não há territórios privados, nem as crianças são de responsabilidade exclusiva de um.

Nada é tão dinâmico, criativo, intenso e motivador quanto criar um filho. Saber fazer uma equipe é saber compartilhar, comunicar, chegar a acordos e orientar com infinito amor e ilusão o pequenino que faz parte de ambos e que, por sua vez, faz parte da vida.

Porque acreditamos ou não que a criança não nos pertence, ele pertence a si mesmo e de lá, devemos educá-lo da melhor maneira para que ele o ame, o faça feliz e faça deste mundo um cenário muito melhor.

Texto originalmente publicado no Eres Mamá, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Bem Mais Mulher

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.

COMENTÁRIOS