Para compreendermos melhor o que é Neuromarketing, devemos primeiro definir o que ele NÃO é.

Sendo assim, Neuromarketing não é uma estratégia de Marketing, mas sim uma maneira para melhor entendermos como o cérebro humano reage diante de determinadas situações e estímulos relacionados ao comportamento de consumo.

Por que algumas pessoas preferem o produto X e não o produto Y? Por que algumas pessoas cancelam os seus cadastros em uma campanha de e-mail marketing? O que leva a uma ação de compra?

Contudo, é óbvio que dificilmente um empreendedor vai ter respostas 100% precisas para essas perguntas, mas graças ao Neuromarketing, que ajuda a investigar as engrenagens do cérebro humano, é possível chegar bem perto das respostas.

Por isso, para melhor definir o Neuromarketing, podemos afirmar que ele é a união entre Neurociência e Marketing. Ao aliar os conceitos dessas duas áreas, é possível realizar com êxito várias ações relevantes para o seu negócio.

Entre tais ações estão como divulgar melhor um determinado produto, como posicionar bem a sua marca e também como captar e nutrir com eficiência os seus leads.

Neuromarketing e os seus conceitos

O Neuromarketing ganhou popularidade quando alguns pesquisadores começaram a usar equipamentos de ressonância magnética para mapear áreas do cérebro humano quando expostas a determinadas ações de Marketing.

Bingo! Foi graças a essa união entre a Neurociência e o Marketing, que surgiu o “herói Neuromarketing”, um importante aliado e defensor de vários empreendedores.

Justamente, por contar com a ajuda da Neurologia, os gestores de negócios podem acessar áreas e camadas mais profundas do cérebro humano, conhecendo com mais propriedade o comportamento do consumidor.

Neuromarketing | A evolução dos estudos do comportamento do consumidor

Entender como o público-alvo se comporta é um dos conceitos básicos que já era fonte de estudo dentro da área de Marketing. No entanto, algo precisou ser aprofundado ainda mais. E então o Neuromarketing se fez necessário.

Quais os motivos que levam a ação de compra? Qual é a percepção que ele possui da marca? Tudo isso está relacionado ao comportamento do consumidor e, consequentemente, relacionado também ao Neuromarketing.

Ferramentas como, por exemplo, o Google Trends, até auxiliam hoje em dia a mostrar para os empreendedores quais são os assuntos mais relevantes para o seu público-alvo na hora de criar conteúdo.

No entanto, existem vários outros detalhes que influenciam a personalidade do seu cliente e é importante conhecer quais são eles.

Questões culturais, de crenças e de classes sociais ajudam a moldar o perfil dos consumidores. Cabe ao empreendedor compreender como tudo isso influencia no comportamento dos seus clientes na hora da compra.

Dentro do Neuromarketing, o comportamento do consumidor é muito importante, pois orienta o empreendedor a investigar quais são os anseios, as dores e as necessidades da sua persona.

Psicologia das cores

Um dos conceitos que o Neuromarketing aborda tem relação com a influência das cores nos anúncios e também nos layouts de um site.

Falando em site, hoje em dia qualquer empreendedor sabe que a presença digital começa tendo um espaço na web, podendo ser tanto um site quanto um blog.

Ele também deve saber que registrar um domínio para esse site já confere mais credibilidade, pois mostra para o público-alvo mais profissionalismo e compromisso em divulgar melhor a sua marca e produto.

Se você ainda não tem o seu, indicamos a weblink.com.br/dominios

Mas na hora de fazer o layout, quais as cores são as mais adequadas para atrair a sua persona? O Neuromarketing pode explicar tudo isso melhor.

As cores afetam as pessoas de formas diferentes. Não é por acaso que as cores mais claras e em tons de branco combinam melhor com produtos e conteúdos relacionados à saúde e a higiene.

Nesse aspecto, o vermelho, uma cor quente, estimula a energia, a confiança e está relacionado com temas referentes ao amor, paixão e sensualidade. Graças a essas características ela pode ser a base para sites e anúncios de lingeries, por exemplo.

Além disso, o vermelho também cria um sentimento de urgência e pode ser utilizado para aqueles anúncios que possuem o objetivo de atrair clientes para as liquidações.

Já o azul, uma cor fria, denota sentimentos como tranquilidade e paz. Por isso, ele e os seus variados tons podem se tornar boas escolhas para conteúdos e produtos relacionados a saúde e espiritualidade.

O azul, assim como o verde, cai muito bem para sites e produtos relacionados com o tema da ecologia.

Gatilhos Mentais à serviço do Neuromarketing

Imagine que o empreendedor já preparou o Mailchimp para utilizar o e-mail marketing. O objetivo é fazer com que o público-alvo participe de uma promoção relacionada ao seu novo produto.

Mas e agora, como será a mensagem? O que vai despertar na mente do consumidor a necessidade de participar? A resposta está nos gatilhos mentais, um dos principais conceitos do Neuromarketing.

Os gatilhos mentais são mensagens que ativam no inconsciente do público a vontade de agir. Há o gatilho da escassez, da urgência, da prova social, enfim, para cada finalidade da campanha, há algum específico.

A frase “corra porque é por tempo limitado” é um típico gatilho da urgência. Já o anúncio que tem “se prepare para o lançamento do produto X” corresponde ao gatilho da expectativa.

Conclusão

O Neuromarketing pode trazer vantagens significativas para o seu negócio, pois ele diz respeito a um detalhe fundamental: compreender melhor o perfil do cliente.

Portanto, na hora de elaborar as suas estratégias, leve em conta os principais conceitos dessa área, que abrange Neurociência e Marketing.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.