Por: Erika Otero Romero

Quando se é menina ou adolescente, às vezes é inevitável pensar que nossa mãe torna nossa vida impossível. Mas, o ponto é que na idade adulta e quando somos capazes de encarar a vida com todas as suas nuances, agradecemos todos os “problemas” que nossas mães nos causaram no passado.

Minha mãe, em particular, era muito exigente. Lembro-me de que, desde muito jovem, ela começou a me ensinar o caminho certo para manter uma casa em ordem e preparar alguma comida. Quanto às tarefas escolares, sempre esperava que eu as fizesse bem e de maneira prolixa, que meus uniformes estivessem sempre limpos e meus sapatos de escola devidamente brilhantes.

Na verdade, sentia que ela exagerava e que estava seriamente “irritando a minha vida”. Das duas filhas, eu era a mais velha, e sentia que ela colocava muita pressão sobre mim. Por causa disso, era inevitável sentir muita raiva dela, mas eu não a enfrentava, ela merecia todo o respeito de minha parte.

O ponto é que, graças a todo esse nível de pressão e demanda que colocou sobre mim, me proporcionou seguir adiante em uma carreira profissional, a enfrentar, em meu passado, coisas que nem todas as mulheres podem encarar e secretamente agradeci por tudo que ela me ensinou quando eu era menina e adolescente. Graças a isso, nos momentos mais difíceis que tive que viver, fui em frente.

A ciência por trás disso

Acho que hoje não existe mulher adulta que não se identifique com parte da minha história. É que as mães de antigamente (e algumas de agora) desempenharam um papel estrito na vida de suas filhas.

Se você é uma daquelas mães que exige muito esforço de sua filha para ser exemplar, desenvolver suas habilidades e lutar por seus sonhos e estudos, pode, por vezes, sentir que está fazendo sua filha adolescente infeliz, mas acredite em mim, no futuro você não vai se arrepender.

Uma pesquisa realizada por Ericka G. Rascon-Ramirez, professora da Universidade de Essex, concluiu que, por trás de uma mulher que alcança o sucesso, há uma mãe muito exigente.

O estudo consistiu em analisar a vida de 15 mil adolescentes entre 13 e 14 anos, durante 6 anos. Os pesquisadores observaram que aquelas meninas que tinham uma mãe que sempre estava ciente do que elas faziam em seus trabalhos escolares, de suas responsabilidades em casa, eram muito mais propensas a não engravidar cedo, a ir para a faculdade e ter uma vida adulta mais produtiva.

O motivo do sucesso, segundo a pesquisadora, é que as mães, por insistência, fazem as filhas internalizar suas demandas, traduzindo-as em expectativas consistentes.

A reação da sua filha adolescente diz muito sobre o seu comportamento
Os adolescentes geralmente reagem às demandas de suas mães. O mais comum é que revirem os olhos ou resmunguem. Para as mães é inevitável não traduzir esses gestos como rebelião ou desconforto, no entanto, mesmo que sejam muito impertinentes e a tirem do sério, o comportamento de impaciência que eles demonstram, quer dizer, na verdade, que elas claramente ouviram o que você disse.

A melhor coisa é que foi “gravado” em suas mentes para agirem no momento certo. Em outras palavras, todos os seus ensinamentos já foram processados.

Limites, com amor

Uma coisa é definir regras claras desde a infância para a sua filha seguir, e outra é maltratá-la para que atenda às suas demandas.

Amar as crianças é estabelecer limites saudáveis. Quando você os impõe com amor e respeito, seus filhos os entenderão. O importante é colocar regras como as seguintes:

-Arrumar o quarto antes de ir para a escola

-Quando chegar da escola e depois do almoço, lavar os pratos que usou

-Fazer o dever de casa

– Você quer tempo para assistir TV, usar o computador ou estar com suas amigas? Primeiro, mostre-me que você terminou sua lição de casa.

-Coloque suas roupas na máquina de lavar, tire-as para secar e depois pendure-as, quando secarem, dobre-as e guarde.

-Acompanhe-me ao supermercado (por exemplo)

Jamais significa ridicularizá-la na frente de seus colegas ou amigos, ou que a tranque para que ela não encontre ninguém, ou grite para fazê-la “entender”. Esse não é o caminho certo, porque você a estará atirando completamente nos braços do fracasso.

Explique com gentileza, estabeleça limites com amor. Ser rigorosa não é ser uma mãe ruim. Sua filha vai entender em um futuro não muito distante.

Isso também se aplica aos meninos?

Efetivamente, e funciona da mesma maneira. Embora o estudo tenha sido realizado apenas com meninas, não há razão para crer que todos os filhos não se beneficiem por ter uma mãe exigente.

O ponto importante é saber como entrar na mente de seus filhos da maneira correta, implantando em seus subconscientes sua voz amorosa, mas exigente lembrando-lhes que são capazes de dar muito de si para seu próprio benefício, que eles merecem muito mais do que pensam e que você, mesmo que não esteja mais tão perto em sua vida adulta, está feliz e orgulhosa deles por todos seus sucessos alcançados.

Agradeço, definitivamente, à minha mãe por todas as reclamações, todas as regras, todos os trabalhos que ela me ensinou e que me tornaram independente. Agradeço-lhe por ter posto em minha cabeça sua voz amorosa e conselheira que exigia muito mais de mim, porque é graças a isso que desenvolvi autoconfiança, confio na minha capacidade e consegui alcançar, à minha maneira, os meus sonhos e objetivos. É graças às suas exigências que hoje sou uma mulher feliz.

Traduzido e adaptado por Stael Pedrosa do original: Detrás de una mujer exitosa siempre hubo una madre exigente, dice un estudio

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.