Diagnosticada com câncer há dois anos, Viviane Vivane Bileski, de 40 anos, enfermeira em Praia Grande, no litoral de São Paulo, fez uma publicação ganhou grande repercussão nas redes sociais nos últimos dias.

Viviane ouviu do médico que não valeria a pena ser novamente operada, pois o seu câncer era incurável. Após um desabafo nas redes sociais, ela ganhou o apoio de milhares de pessoas.

A batalha de Viviane começou em junho de 2016, ela tinha passado um período de oito meses ao lado da sogra, que havia falecido por conta da mesma doença.

Ela conta que após uma semana do falecimento da sogra, começou a sentir fortes dores na região abdominal e suspeitou de que algo poderia estar errado,

“Me assustei bastante, pois comecei a me ver no espelho com uma aparência amarelada, e para piorar, sou da área da saúde, conheço algumas coisas. Foram quatro meses indo de médico em médico até fazer uma cirurgia, onde descobriram o tumor que eu tinha, e que já estava em estágio avançado”, conta.

Foi um choque para Viviane ao descobrir que se tratava de um tumor maligno no ovário, ela relata que ficou três dias inteiros sem saber como reagir frente ao problema.  “Depois da confirmação com o laudo, fiquei chorando, mas depois levantei a cabeça, escrevi um blog e abracei o Outubro Rosa. Isso tudo virou uma ‘brincadeira’ na minha mão”, diz.

Veja a publicação de Viviane após negativa do médico que viralizou nas redes sociais:

Viviane passou pelo tratamento com quimioterapia, mas o tumor acabou voltando. “Em junho de 2017, fiz concurso, passei e comecei a trabalhar na UTI de um hospital. Mas comecei a sentir fortes dores novamente, que me deram o alerta”, explica ela, que adiantou os exames de controle que detectaram o câncer em estágio avançado.

Leia mais: Mulheres precisam dormir mais porque seus cérebros são mais complexos, diz estudo

“Abri o resultado ali na UTI mesmo e fiquei aos prantos. Voltei com o tratamento e, quando terminou, em maio, passei por um cirurgião que, na consulta, disse que não queria me operar, pois não tinha mais o que fazer”, relata.

Viviane ficou surpresa e lutou até o fim para que o médico aceitasse fazer a cirurgia. “Ele disse que não era necessário, pois ia operar e voltar, que eu ia passar o resto da vida na quimioterapia. Bati o pé e disse que queria operar. Consegui convencê-lo, mas ele disse que eu não deveria ter falsas esperanças com relação a uma possível cura”, conta.

Agora, Viviane aguarda consultas médicas para marcar a cirurgia que terá, aproximadamente, 15 horas de duração, devido à complexidade. “É mais um desafio que vou enfrentar. Eu tenho que lutar. Não iria aceitar o que ele [médico] disse e pronto”, diz.

Foi grande a repercussão nas redes sociais. Tanto que muitas pessoas diagnosticadas com a mesma doença a procuram em busca de uma palavra ou conselho. Essa situação, inclusive, a fez criar um projeto voltado a pacientes com câncer atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Praia Grande.

“Fiz um projeto de uma Unidade de Tratamento Oncológico para ser instalada no Hospital Irmã Dulce. Não precisaria de nada grande, além do que, não iria onerar o município. Um diagnóstico tardio é custoso, mas antecipado não. O projeto foi para a mão do prefeito há seis meses, mas não tive resposta”, conta.

“Na unidade, o paciente teria consultas e quimioterapia. Para exames mais complexos, poderia ser agendado no Ambulatório Médico de Especialidade [AME] ou no próprio hospital, cumprindo a lei, que diz que o paciente de câncer tem prioridade”, explica.

Estar envolvida em projetos como esse, dá para Viviane uma força nova a cada dia para enfrentar a doença. “Desde quando tive o diagnóstico, entreguei minha vida na mão de Deus. Quantas pessoas com câncer precisam de psicólogo, um monte de coisas. Eu não quero nada disso. Deus está agindo nisso, e eu vivendo meu dia de hoje. Faço planos, sim, mas para meus projetos, e não para minha vida. Eu vivo o dia de hoje”, finaliza.

Informações: G1

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.