Do site lamenteemeravigliosa

Há pessoas que acreditam que o melhor relacionamento entre mãe e filha é o de “melhores amigas”. No entanto, esta situação arrisca, com o passar do tempo, favorecer o surgimento de uma rivalidade mútua, a perda de respeito, a confusão de papéis e a invasão de privacidade.

As crianças precisam de um adulto para dar-lhes um exemplo, para ser um ponto de referência em termos de autoridade e respeito, que os orientem e lhes ofereçam proteção e apoio; Dessa forma, elas podem ser emocionalmente estáveis e desfrutar de boa saúde mental, elementos que trazem ordem à sua existência.

Quando se vê a mãe como melhor amiga, a fronteira direita do relacionamento mãe-filha desaparece. Esse elo deve ser de acompanhamento e educação; uma amizade aparente o transforma em um elo de controle e hiper-proteção com sua filha. Consequentemente, não é mais possível construir um modelo de respeito e autoridade, porque a mãe é considerada igual a um par.

Em relacionamentos desse tipo, insalubres e confusos, cria-se um nível elevado de insegurança na filha, já que suas decisões estão sujeitas à supervisão e aprovação da mãe, que de outra forma se sentiria traída. Essa sensação de hiper-proteção é totalmente prejudicial para o desenvolvimento da personalidade da menina, uma vez que, entre elas, é criada uma dependência tóxica.

As diferentes maneiras de ser mãe

Quando a figura da autoridade não é clara para sua filha, ela se sentirá vulnerável. A confiança em si será afetada. Quando ela tiver que tomar decisões, sempre estará insegura e isso impedirá sua aspiração à independência.

O fato da relação mãe-filha não ser de amizade não significa, de modo algum, que não seja íntima e enriquecedora para ambas. No entanto, uma coisa é ser amiga e outra ser mãe e filha; são conceitos muito diferentes. Sem dúvida, uma mãe sempre desejará o melhor para sua filha, mas isso não lhe dá o direito de violar sua privacidade com a desculpa de estar perto dela como um amiga.

É essencial entender a origem desse fenômeno. Na maioria dos casos, esse comportamento materno destaca os conflitos emocionais relacionados ao vício. Às vezes, esses conflitos são acompanhados de depressão e do medo de que a filha repita os mesmos erros cometidos por sua mãe. Neste caso, a mãe deve necessariamente resolver esses problemas internos sozinha ou com a ajuda de um especialista.

Como melhorar esse relacionamento?

As filhas sabem que não precisam obedecer aos amigos. Por essa razão, a mãe deve mostrar-se amorosa, mas também determinada. Além disso, uma filha não precisa necessariamente conhecer os problemas íntimos de sua mãe: isso causaria medos infundados, tristeza e confusão sobre seu relacionamento com os pais.

Aconselhamos que você torne esses relatórios transparentes; É importante que a confiança seja construída espontaneamente e não como uma imposição. Caso contrário, será criado um estado permanente de angústia e desconfiança, que degenerará em um desperdício inútil de emoções.

Se a mãe ou filha identifica os aspectos negativos na outra, a melhor coisa a fazer é manifestar-lo: não é saudável calar o que pode incomodar. É necessário expressar-se em uma atmosfera de sinceridade e respeito; Desta forma, a relação será saudável e livre.

O que elas têm que aprender

A filha, especialmente se for menor de idade, deve entender que existem decisões de sua vida que devem ser tomadas por sua mãe. Imagine a loucura que surgiria se essas decisões fossem tomadas por uma amiga. O que é perdoado por uma mãe pode não ser justificável para um amiga.

Mal-entendidos entre mãe e filha sempre podem ser resolvidos; escolher o momento certo para fazer isso é essencial. Afeição e confiança são os ingredientes básicos; depois disso, será suficiente adicionar algum senso comum para corrigir as diferenças ou tensões que possam ter surgido entre as duas.

É importante que a filha aprenda a resolver seus problemas e, ao fazê-lo, ganhe independência. É certo que ela saiba que sua mãe sempre estará lá para apoiá-la e dar-lhe conselhos, como apenas uma mãe é capaz de fazer. A menina também deve entender que existem aspectos da vida que podem permanecer privados, que não devem ser exagerados em termos de confiança, porque todos têm sua história pessoal e seu caminho para viajar.

Via:Pensar Contemporâneo

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.