Claudia Dias Batista de Souza é o nome de batismo da Monja Coen.

Antes de se tornar a mais famosa praticante e líder budista do Brasil, ela foi gente como a gente – talvez até um pouco mais louquinha.

Prima de Sergio Dias e Arnaldo Batista, dos Mutantes, Coen foi casada algumas vezes – uma delas, com o iluminador dos shows do Alice Cooper – e acabou presa na Suécia por tráfico de LSD. Foi apenas aos 36 anos que ela começou a meditar.

E nunca mais parou.

Leia também: Thais Fersoza e as voltas que a vida dá

Neste vídeo publicado no Canal Mova, monja Coen fala sobre estarmos sempre esperando as condições serem propícias e essa condição nunca chega.

“Se a gente entra em um processo que é um círculo vicioso, eu reclamo que eu não tenho condições de vida, que as coisas não dão certo …mas eu não faço desse momento o melhor momento do mundo! É  porque é onde estou… eu estou viva agora!”

Assista o vídeo:

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.