Eu te mandei algumas mensagens em sequência porque queria muito falar com você.

Eu remarquei planos que você cancelou porque queria muito te encontrar.

Eu te dei segundas chances (e terceiras, e quartas também) porque queria muito que a gente desse certo.

Você não conseguiu definir o que queria muito tempo. Eu poderia ter encarado isso como um sinal de que você não estava interessado em um relacionamento.

Eu poderia ter desistido da esperança de ficarmos juntos. Mas ao invés de assumir que você nunca seria meu par, eu assumi que você precisava de um empurrãozinho. Um encorajamento extra para me ver como mulher da sua vida, e não como amiga.

Eu insisti em nós porque eu pensei que você eventualmente pararia de dizer que não estava pronto para um relacionamento. Eu achei que eu fosse capaz de te convencer a me dar uma chance.

Eu criei desculpas por você. Eu inventei motivos para explicar o porquê de você me afastar. Você ainda estava machucado pelo seu último relacionamento. Você tinha problemas de confiança.

Leia mais: Substitua as críticas e atitudes negativas com seu filho, por frases que o acalmam.

Você tinha problemas com abandono. Você queria ficar solteiro como forma de autoproteção. Você estava com medo do tanto que gostava de mim.

Eu insisti em nós porque eu achei que você queria que eu insistisse. Eu pensei que você precisava que eu provasse o quão forte meus sentimentos por você eram.

Eu achei que você precisava de elogios e repetidas mensagens para saber que eu falei sério quando disse que queria ficar com você. Eu achei que tudo isso ia ajudar a provar que eu era digna do seu tempo e esforço.

Eu nunca me preocupei se estava parecendo desesperada, porque achava que era melhor você saber como eu realmente me sentia do que te deixar para adivinhar.

Eu achei que me expressar era melhor do que te deixar confuso (do jeito que você me deixou). Eu queria ficar com você. Eu queria que você soubesse exatamente o meu desejo.

Eu insisti em nós porque queria sua atenção, e pouco me importava como isso aconteceria. Não importava se eu tinha que mandar selfies, reorganizar minha agenda para te ver ou passar horas decidindo qual roupa usar para te encontrar.

Eu faria qualquer coisa para você me notar. Para fazer com que você se importasse.

Eu insisti em nós porque eu sabia que, se eu parasse de te mandar mensagem, você não iniciaria outra conversa. Se eu parasse de fazer planos com você, nós não nos veríamos mais.

Se eu parasse de te dar chances, você não sairia da sua zona de conforto para vir se consertar. Eu sabia que eu tinha que fazer todo o trabalho pesado para manter nosso relacionamento vivo.

Eu insisti em nós porque a outra alternativa era te deixar ir. E isso era a última coisa que eu queria.

Eu queria te manter na minha vida. Eu queria te fazer peça permanente no meu mundo, mas infelizmente eu era apenas temporária para você.

Texto originalmente publicado no Thought Catalog, livremente traduzido e adaptado pela equipe Revista Bem Mais Mulher

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Bem Mais Mulher
Sobre a inteligência, a força e a beleza feminina.